Carros elétricos vendem cada vez mais no Brasil, mas e pra recarregar?

Se você mora em alguma cidade grande, provavelmente deve cruzar com veículos eletrificados pelo menos uma vez ao dia. Os tais “eletrificados” são a somatória dos híbridos leves (MHEV, a exemplo do Audi A3), híbridos convencionais (HEV, como o Honda Civic eHEV), híbridos plug-in (PHEV, como o Jeep Compass 4xe), até chegar nos elétricos (EV, como o BYD Dolphin), por isso abrangem uma enorme lista de modelos já vendidos no Brasil, desde hatches subcompactos até caminhões urbanos. Não chegamos nos níveis da Europa, mas ainda assim, é muito carro com propulsão mista ou elétrica por aí.

Não chegamos aos níveis da Europa, mas nossa frota eletrificada já vêm crescendo bastante (Foto: Lucca Mendonça)

Em 2023, último ano cheio, tivemos um crescimento importante dessa turma eletrificada no mercado brasileiro: 91% a mais, chegando a quase 94 mil unidades. Bem a frente dos cerca de 49 mil acumulados em 2022 e ainda mais distantes dos 35 mil de 2021. Os dados são da ABVE (Associação Brasileira dos Veículos Elétricos), que também deixa claro que quase todos os estados do país tiveram crescimento de mais de 50% nas vendas de híbridos e elétricos no último ano. Falando das regiões, o sudeste ainda lidera com aumento de nada menos que 101%, seguido do nordeste (91%), sul (82%), centro oeste (73%) e norte (67%), ainda que a maior frota de eletrificados do Brasil ainda esteja na cidade de São Paulo.

Também é na capital paulistana que está instalada a maioria dos pontos de recarga para carros híbridos plug-in e elétricos: cerca de 445 pontos operacionais, o que dá mais ou menos 1/3 do que oferecidos em todo o país, segundo a ELEV (startup de mobilidade com foco na recarga de carros eletrificados). Esses tais pontos estão, principalmente, em estacionamentos de shoppings, supermercados, grandes lojas e comércios no geral (rede de padarias, por exemplo). Sem contar nas fontes instaladas nos próprios postos de combustíveis, que oferecem recargas de acordo com o valor do kWh (Shell Recharge, por exemplo).

Locais de recarga de carros elétricos estão, majoritariamente, em São Paulo (Foto: Lucca Mendonça)

Ainda assim, a maioria das fontes de recarga dos elétricos está concentrada no sudoeste, o que, por enquanto, pode ser encarado como um problema. E, levando em conta que em uma pesquisa da McKinsey de 2022, a recarga de elétricos ainda preocupava 64% dos consumidores de carros no Brasil, podemos chama-lo de “problemão”. Lembrando que, além dos wallbox e da alternativa da longa, e demorada, da recuperação da carga das baterias em tomadas residenciais, que acabam pesando bastante na conta de energia no fim do mês, os proprietários dos elétricos não tem muitas opções além de buscar um dos tais eletropostos, pagos ou gratuitos.

E, pra quem não quer wallbox nem tem tempo para esperar uma recarga em tomadas comuns, a única opção são os pontos de recargas em postos ou estacionamentos (Foto: Caoa-Chery/divulgação)

Por sorte, aos poucos, esse tipo de problema vai sendo resolvido, e o número de postos de recarga para carros cresce cada vez mais. A Arval, locadora de carros focada no ramo comercial e que hoje tem uma grande frota de híbridos e elétricos, por exemplo, firmou uma recente parceria com a Enel X, gerenciadora de energia elétrica em parte do país, para a implantação de fontes carregadoras para carros elétricos em todo o país, atendendo principalmente seus clientes, em empresas e residências. Está nos planos, ainda, a instalação desses carregadores também em estacionamentos privados, como de shoppings ou mercados, em um segundo passo.

A Arval, locadora com foco em empresas, tem uma bela frota eletrificada, e pretende expandir os pontos de recarga Brasil afora (Foto: Arval/divulgação)

Já a Indigo, hoje uma das grandes no meio de gerenciamento e operação de estacionamentos mundo afora, que também está espalhada por todo o Brasil, pretende quase triplicar o número de postos de recarga até o final de 2025. Hoje, já são mais de 240 fontes de energia para carros elétricos presentes em vagas Indigo de grandes hospitais, shoppings, parques, aeroportos e afins, e, pelos planos otimistas da empresa, esse número deve saltar para cerca de 700 até o final do próximo ano.

A Índigo segue pelo mesmo caminho, e quer quase triplicar suas vagas com carregadores elétricos até o fim do ano que vem, graças a diferentes parcerias (Foto: Indigo/divulgação)

Nesse caso, a parceria não é exclusivamente com a Enel X, mas sim com diversas empresas privadas que interferem nessa expansão da mobilidade elétrica. Chama a atenção a presença de pontos de recarga em estacionamentos da Indigo das regiões norte, nordeste e centro-oeste do país: Amazonas, Pará, Bahia, Ceará, Goiás, Espírito Santo, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Mato Grosso e Tocantins, sem contar Distrito Federal e estados do sudeste e sul.

Mais eletropostos não vão resolver todos os problemas dos carros elétricos no Brasil, mas já é um belo avanço na eletrificação da frota nacional (Foto: Lucca Mendonça)

Ainda que não tenhamos tantas fontes em certas regiões, a expansões nacionais como essas, e tantas outras, estão com promessa de mudar esse panorama. Essa não seria a resolução de todos os problemas dos carros elétricos, mas toda evolução é válida…

Compartilhar:
Com 21 anos, está envolvido com o meio automotivo desde que se conhece por gente através do pai, Douglas Mendonça. Trabalha oficialmente com carros desde os 17 anos, tendo começado em 2019, mas bem antes disso já ajudava o pai com matérias e outros trabalhos envolvendo carros, veículos, motores, mecânica e por aí vai. No Carros&Garagem produz as avaliações, notícias, coberturas de lançamentos, novidades, segredos e outros, além de produzir fotos, manter a estética, cuidar da diagramação e ilustração de todo o conteúdo do site.