Mesmas peças em carros diferentes: o compartilhamento na indústria automotiva

Quando se projeta um carro do zero, é preciso desenvolver também todas as suas peças. E não falo só de mecânica, mas de componentes externos como lataria, faróis e lanternas, ou internos como bancos, volante, painel e cada botão na cabine. E não é só desenvolver: cada componente de um carro precisa ser durável, funcional e, de preferência, prático para facilitar a vida de quem vai produzi-lo ou operá-lo. Um trabalhão, diga-se de passagem.

Mas quando se tem alguma (ou algumas) peças prontas, que estão em outros modelos já em produção, esse processo é facilitado. É só adaptar o tal carro novo para acomodar componentes que já existem. Isso acontece dentro de uma única fabricante, entre marcas de um mesmo grupo, ou então em parcerias curiosas entre as empresas, como foi o caso da união da PSA Peugeot-Citroën com a Mitsubishi na Europa para criarem alguns SUVs. São muitos e muitos casos, mas como curiosidade, veja alguns carros totalmente diferentes (e outros nem tanto), que compartilham peças:

Fiat Marea e Lancia Lybra: lanternas

O sedan Marea, da Fiat, que ficou em linha no Brasil entre 1998 e 2006, passou por uma reestilização de meia-vida na linha 2002, onde ganhou, entre outras novidades, uma traseira remodelada. Vieram de inédito o parachoque, tampa do porta-malas e o par de lanternas, que foram herdadas de outro sedan, o Lybra, fabricado pela Lancia, marca do Grupo Fiat que não tivemos por aqui.

Peugeot Hoggar e 1007: lanternas

Mais um caso de lanternas compartilhadas, mas agora entre a picape nacional Hoggar e o 1007, uma espécie de hatch subcompacto que tem elementos de minivan e monovolume ao mesmo tempo. O pequeno carrinho, cheio de personalidade, não foi vendido no Brasil, mas cedeu sua lanterna para a picape do 207, chamada por aqui de Hoggar. Se combinou? Nem tanto. Mas certamente poupou bons investimentos da Peugeot brasileira.

VW Nivus e Golf MK8: volante

O Golf saiu de cena no Brasil na sétima geração, e até agora não tem previsão de volta. A oitava geração estreou na Europa no final de 2019 e inaugurou um novo volante da Volkswagen, que logo foi se espalhando para outros modelos, incluindo o crossover Nivus, de projeto totalmente brasileiro. A marca alemã é bem conhecida por compartilhar peças idênticas em toda a sua linha de produtos, desde os mais baratos até os mais caros.

Fiat Toro e Jeep Compass: bancos dianteiros

A Fiat Toro e o Jeep Renegade, que são filhos da FCA (hoje Stellantis) e saem da mesma planta em Goiana, no Pernambuco, dividem várias peças. Uma delas é o par de bancos dianteiros, que veio inicialmente no Renegade em 2015, depois passou a equipar a Toro em 2016 e ainda está nos Jeep Compass desde sua estreia na linha 2017. Os SUVs ganharam um novo encosto de cabeça, mas a estrutura geral ainda é a mesma de antes. Dos carros Stellantis feitos no Nordeste, o único que tem bancos próprios é o Commander.

Fiat Strada e Mobi: portas dianteiras

A Nova Strada é um desses projetos que compartilhou componentes de onde pôde para ficar mais barata. Tem desde retrovisores do Argo até eixo traseiro de Fiorino, isso sem esquecer das portas dianteiras do subcompacto Mobi. Essas tais portas, aliás, nem são originalmente do Mobi, mas sim da segunda geração do Uno, lançada em 2010, mas com outra folha externa e vincos diferentes.

Mitsubishi Airtrek e Pajero TR4: faróis

Outra que gosta de poupar gastos compartilhando peças é a Mitsubishi. Um desses casos mais conhecidos é dos faróis do SUV médio Airtrek, que teve carreira tímida no Brasil entre 2004 e 2007, emprestados para a segunda reestilização do jipinho Pajero TR4, que aconteceu no final de 2009, como linha 2010. Nem mesmo o arranjo interno das luzes mudou…

VW Polo e Audi Q3: motor

VW e Audi são marcas do mesmo grupo em boa parte do mundo. Mas não no Brasil: por aqui elas dividem uma fábrica no Paraná, mas são até concorrentes, dependendo do segmento. Por conta disso, algumas tecnologias também aparecem em modelos das duas marcas, como por exemplo o motor 1.4 TSI. Ele veio inicialmente no Audi A3 em 2012, depois passou para o VW Golf em 2013, e hoje, por exemplo,  equipa a versão esportiva GTS do Polo e também o SUV compacto de luxo Q3.

Fiat Argo e Jeep Commander: botões internos

Quem diria, mas o hatch popular Argo e o SUV grandalhão de sete lugares Commander têm peças em comum. Novamente por conta da Stellantis, os dois são produtos de um mesmo grupo, mas nesse caso não saem da mesma fábrica: o primeiro vem de Betim (MG) e o segundo de Goiana (PE). Os mais atentos vão notar que alguns botões específicos, como os que acionam as luzes de leitura no teto, são iguais nos dois carros. Claro que, no mais caro, eles tem uma grafia melhor e ficam mais pomposos pelo cromado em volta.

Renaut Duster e Nissan Kicks: transmissão automática

Lá fora, Renault e Nissan são parceiras, mas aqui não. Ainda assim tem suas semelhanças, como no projeto dos motores SCe e HR16DE, ou na transmissão CVT X-Tronic, fornecida pela Jatco. É a mesma caixa automática para os Nissan Versa (de primeira e segunda geração), March, Sentra (de sétima geração), Kicks, e Renault Sandero (de segunda geração), Logan (de segunda geração), Duster (de segunda geração) e Captur (até a linha 2021).

Bônus: chave de seta dos Peugeot/Citroën

Essa vem desde o final dos anos 90, onde já estava no primeiro Peugeot 206, e equipa hoje os luxuosos SUVs 3008 e 5008, por exemplo. Ah, ela está também no Peugeot 307, Citroën C4 (Pallas, Hatch e até no atual Cactus), Citroën C3 (todos), Peugeot 207, Peugeot 2008, Novo Peugeot 208, estará no futuro Novo C3…enfim, é bem “famosa”. Dependendo do carro, ela tem detalhes cromados e mais ou menos funções para comandar, mas a peça é a mesma.

Compartilhar:
Tem 20 anos, cursa Publicidade e Propaganda, é filho do jornalista Douglas Mendonça, e desde que se conhece por gente, convive com carros e está envolvido no mundo automobilístico. Aprendeu a ler nas revistas automotivas, cresceu frequentando oficinas, corridas, encontros e eventos com o pai, e daí veio sua maior paixão: os carros. Lucca se tornou o braço direito do pai após sua perda de visão em 2012, ajudando na produção de matérias, reportagens, avaliações e textos. No Carros & Garagem, é responsável pela cobertura de eventos de lançamento de novos veículos, e produz avaliações, fotos e comparativos de modelos.