(Avaliação) Novo Audi Q5 Sportback: Ame-o ou odeie-o

Coupé: Carro geralmente pra dois ocupantes, ou no formato 2+2, com duas portas e esportividade em seu visual, quer seja pela inclinação acentuada da parte traseira ou pelo estilo mais fluído da carroceria. Bonito, né? Pois em algum momento da história, um designer automotivo teve a brilhante ideia de adaptar essas “regrinhas” em um…SUV.

O conceito inicial foi da Mitsubishi, lá no começo dos anos 2000, mas quem botou a mão na massa e realmente fez a ideia acontecer em um carro de produção em escala foi a BMW com a X6 em 2008. Querendo ou não, deu certo: Hoje essa curiosa espécie está na gama da Volvo, Porsche, Mercedes-Benz, Volkswagen, Renault, Audi. E outros estão por vir.

SUV coupé: Querendo ou não, uma ideia que deu certo (Foto: Lucca Mendonça)

Falando na teoria, realmente é algo, no mínimo, peculiar: SUV é feito pra ser um carro familiar, com bastante espaço interno e porta-malas generoso, e o formato coupé prejudica justamente uma parte dessas virtudes em prol do estilo. A queda acentuada da traseira diminui a altura da cabine e “corta” um pedaço do espaço das bagagens. Mas tem (muita) gente que gosta.

Novidade no Brasil, eis aqui o Audi Q5 Sportback, totalmente derivado do SUV médio Q5, mas com o tal estilo mais esportivo. O carro divide opiniões: Alguns amam seu design de parachoque a parachoque, preferindo inclusive as linhas mais ousadas desse Sportback ao Q5 comum, mas outros torcem muito o nariz, fazendo piadinhas de mal gosto com seu estilo diferentão e por aí vai. É o famoso “ame-o ou odeie-o”.

Estilo polêmico: Alguns gostam, outros não (Foto: Lucca Mendonça)

O Q5: Espetacular

Coupé ou não, o Audi Q5 é um carro espetacular. Ele compartilha quase tudo com o A5, incluindo interior completo, mecânica, componentes de plataforma, e tem praticamente tudo para agradar quem busca um SUV médio premium. O Sportback testado é da versão mais cara, a S-Line, que parte de R$422 mil, e o carro das fotos ainda tem como opcionais o excelente sistema de som Bang&Olufsen 3D (R$9 mil) e as lanternas traseiras em OLED (R$8 mil).

No final das contas, é um brinquedo bem caro, de praticamente R$440 mil. Pra efeito de comparação, um Q5 convencional, também da versão top S-Line, é curiosamente bem mais barato: Não passa de R$420 mil. Coupé está na moda, então paga-se o preço mais alto.

O preço mais caro da moda (Foto: Lucca Mendonça)

Mas, cá entre nós, esse Audi consegue justificar muito bem seu preço. Começando pela mecânica, sem erro, que é composta pelo tradicional motor 2.0 TFSI de concepção Volkswagen (família EA-888), com quatro cilindros, turbo, injeção direta de gasolina e duplo comando variável, entregando 250 cv e 37,7 mkgf de torque máximo entre 1.600 e 4.500 rpm, passando pela esperta transmissão automatizada de dupla embreagem S-Tronic com sete velocidades, até chegar na cereja do bolo: Tração integral Quattro permanente e eletronicamente comandada, responsável por deixar esse SUV com uma dinâmica de hatch apimentado.

Conjunto de primeiríssima linha, que entrega força de sobra pra mover os quase 2 mil kg desse Q5 Sportback com fôlego de sobra e muita segurança em retas ou curvas. Basta a mínima pressão no pedal do acelerador para conseguir a agressividade típica da boa cavalaria alemã, independente do modo de condução escolhido no seletor. Mesmo no Efficiency, que controla o carro em prol do baixo consumo, esse Audi ainda anda como poucos SUVs. No modo mais esportivo então…

Motor 2.0 TFSI: Usina de força de respeito (Foto: Lucca Mendonça)

Até que as linhas coupé fazem sentido olhando pelo lado do desempenho aguçado desse Q5, trazendo ainda o bônus do melhor coeficiente de arrasto aerodinâmico (baixíssimos 0,30). Declarado pela Audi, o 0 a 100 km/h é cumprido em menos de 6,5 segundos e a velocidade máxima chega perto dos 240 km/h.

Já em nossos testes de consumo com gasolina, surpreendentes 10,6 km/l na cidade e até 16 km/l na estrada. Quem ajuda a economizar tanto é o Start&Stop, além de duas tecnologias muito bem trabalhadas pela Audi: Roda-livre, que desengata o carro em movimento para aproveitar a inércia, e até função de desligamento total do motor em longos trechos planos ou descidas, sempre que possível, claro.

Ponto positivo desse estilo diferentão: A carroceria coupé tem menos arrasto aerodinâmico, ajudando a economizar combustível (Foto: Lucca Mendonça)

Ainda espaçoso, confortável e bom de guiar

Por sorte, o bom espaço interno do Q5 não foi muito prejudicado nessa carroceria Sportback. Boas dimensões como os 2,82 m de entre-eixos, 1,89 m de largura e 1,66 m de altura foram mantidos, então mesmo quem vai no banco traseiro consegue viajar com conforto de sobra, seja no espaço para pernas, ombros ou cabeça.

Boas dimensões da carroceria garantem espaço de sobra (Foto: Lucca Mendonça)

Na frente, motorista e passageiro dianteiro não poderiam se acomodar melhor, com todos os comandos à mão, boa posição de guiar e bem-estar garantido pelo acabamento esmerado e boa escolha dos materiais que revestem a cabine. Única ressalva fica pelo pequeno ângulo de ajuste de altura do volante, que pode atrapalhar os motoristas maiores (o volante fica em posição baixa, meio que entre as pernas).

Mesmo sendo um SUV, ele também sofre com o problema crônico desses Audi com tração integral: Túnel central enorme, comprometendo o conforto e movimentação interna dos ocupantes, especialmente da segunda fileira. O jeito é mesmo acomodar quatro adultos e, no máximo, uma criança pequena no meio do banco traseiro. Ainda assim, tudo questão de se acostumar.

Atrás: Único problema é o túnel central elevado, crônico dos Audi com tração integral (Foto: Lucca Mendonça)

Mas no porta-malas não teve jeito: Perdeu uma parte da carroceria, diminuiu o espaço para bagagens. Mas nada muito grave, ainda cabem 510 litros de qualquer tipo de bagagem (o Q5 normal tem pouco mais de 550). Na prática não faz tanta falta assim, ainda mais pela praticidade da tampa com abertura presencial elétrica, “esconderijo” no subsolo para coisas menores, rede com fixações pra prender a carga e mais.

Mesmo sendo menor que no Q5 comum, o porta-malas do Sportback ainda dá muito bem conta do recado (Foto: Lucca Mendonça)

Em compensação sobram mordomias, como ajustes elétricos dos bancos dianteiros, três memorizações de posição para o motorista, controle independente da temperatura do ar-condicionado traseiro, teto-solar panorâmico, luzes de leitura individuais em LED, iluminação ambiente da cabine, carregador de celular sem fio e por aí vai. O carro avaliado ainda trazia o belíssimo casamento da carroceria azul marinho metálico com interior em couro marrom, um charme a parte.

Também pesa a favor o perfeito ajuste das molas e amortecedores, equilibrados com perfeição pra priorizar estabilidade da carroceria (auxiliada também pelas suspensões independentes nas quatro rodas), sem deixar de lado o rodar suave e confortável, como pede um “coupezão” que ainda é familiar.

Carroceria externa azul marinho com interior marrom é um charme a parte (Foto: Lucca Mendonça)

À moda do freguês

Q5 Sportback divide opiniões pelo seu estilo e visual, mas só por isso mesmo. De resto, é unânime: Um baita carro, ótima opção nesse mundo crescente dos SUVs coupés. Se vale a pena deixar o Q5 de carroceria normal de lado e pagar mais caro por esse Sportback? Aí vai do gosto e bolso do freguês. Tem quem goste e prefira, por isso os dois estão aí e são vendidos em vários cantos do mundo. Sportback ou não, Audi Q5 é sempre uma ótima pedida.

Ficha técnica:

Concepção de motor: 1.984 cm³, gasolina, quatro cilindros, 16 válvulas (quatro por cilindro), turbo, injeção direta, duplo comando de válvulas, variador de fase na admissão e escape, bloco em ferro fundido e cabeçote em alumínio
Transmissão: automatizada de dupla embreagem com 7 velocidades
Potência: 249 cv a 5.000 rpm
Torque: 37,7 mkgf entre 1.600 e 4.500 rpm
Suspensão dianteira: independente, do tipo multilink
Suspensão traseira: independente, do tipo multilink
Direção: tipo pinhão e cremalheira com assistência elétrica progressiva
Freios: discos ventilados nas quatro rodas
Pneus e rodas: Pirelli Scorpion Verde, medidas 255/45. Rodas de liga-leve aro 20
Dimensões (comprimento/largura/altura/entre-eixos): 4,69 m/1,89 m/1,66 m/2,82 m
Porta-malas: 510 litros
Tanque de combustível: 70 litros
Peso em ordem de marcha: 1.930 kg
Aceleração 0 a 100 km/h: 6,3 segundos
Velocidade máxima: 237 km/h
Preço básico: R$421.990 (Carro avaliado: R$438.990)

Itens de série:

Audi Phone Box Light (carregamento por indução), chave presencial, entradas USB para os passageiros do banco traseiro, volante em couro multifuncional com paddle-shifts, rodas de liga-leve aro 20, câmera de ré, sistema de monitoramento da pressão de pneus, ar-condicionado automático de três zonas, bancos dianteiros em couro e Alcantara com ajustes elétricos e memória de posição, controle de cruzeiro adaptativo, pacote de luzes internas, teto solar elétrico, kit exterior S-Line, aviso de saída de faixa, faróis Full LED Matrix, lanternas traseiras OLED, estribo lateral exclusivo, multimídia de 10” com sistema de navegação, painel de instrumentos digital de 12,3”, head-up display, acabamento interno black piano, volante esportivo de 3 raios com base achatada, Park Assist, sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, sistema de som Bang&Olufsen 3D de 755 watts, Pacote Assistence City e Pre Sense.

Compartilhar:
Tem 20 anos, cursa Publicidade e Propaganda, é filho do jornalista Douglas Mendonça, e desde que se conhece por gente, convive com carros e está envolvido no mundo automobilístico. Aprendeu a ler nas revistas automotivas, cresceu frequentando oficinas, corridas, encontros e eventos com o pai, e daí veio sua maior paixão: os carros. Lucca se tornou o braço direito do pai após sua perda de visão em 2012, ajudando na produção de matérias, reportagens, avaliações e textos. No Carros & Garagem, é responsável pela cobertura de eventos de lançamento de novos veículos, e produz avaliações, fotos e comparativos de modelos.