Entenda como funciona o sistema de escapamento

No ciclo de funcionamento de um motor de combustão interna, o sistema de escapamento é um dos itens que é fundamental para o funcionamento do motor, com importância relevante na potência, torque e consumo. Porém, é um dos itens menos cuidados pelos proprietários e, provavelmente, um dos mais modificados. Tão importante quanto o sistema de admissão, responsável pelo ar fresco que o motor respira, o sistema de escapamento direciona os resíduos da combustão e seus gases aquecidos para a parte traseira do carro, de maneira que as pessoas em seu interior não sintam o odor nem se contaminem com os gases tóxicos resultantes da combustão.

É intuitivo que quanto mais livre for a saída dos gases de escapamento, melhor será o rendimento do motor. Por isso, nos carros de competição, o sistema de escapamento fica restrito ao coletor, peça que coleta os gases queimados do cabeçote, reunindo-os em um único cano de descarga livre, sem restrições. Mas sabemos que em um carro de uso diário é absolutamente inviável a descarga do escapamento ser totalmente livre como em um carro de corridas: O ruído das cidades e estradas seria ensurdecedor, e a poluição gerada pelos escapes livres tornariam o gás expelido em um veneno que, em pouco tempo, poluiria completamente o ar que respiramos.

Silenciador traseiro do sistema de escapamento

Por isso, além de um coletor muito bem elaborado, que facilite a saída dos gases queimados de dentro dos cilindros, o sistema ainda conta com catalisadores construído de cerâmica e metais nobres que, através de reações químicas, transformam boa parte dos gases nocivos ao ser humano em gases mais amenos que não nos fazem mal. Por isso, a eliminação dos catalisadores é algo que não deve ser feito jamais. Próprio do sistema de escapamento, sondas controlam os sistemas de injeção e ignição que, trabalhando em conjunto com os catalisadores, reduzem drasticamente a poluição do meio ambiente. Mas os gases resultantes desse processo químico são totalmente inofensivos? Não, os gases nocivos à saúde são reduzidos, mas não totalmente eliminados.

Catalisador de um carro

Por esse motivo, jamais um motor de um carro, por mais moderno que ele seja, pode funcionar em um ambiente fechado e sem ventilação. Essa prática pode, até mesmo, levar à morte as pessoas que estejam nesse ambiente fechado com o carro funcionando. Os modernos sistemas eletrônicos gestores da ignição e injeção, acompanhado dos seus sensores localizados no escapamento, não conseguem eliminar a totalidade dos gases tóxicos da combustão. E mesmo esse pequeno resíduo, quando em grande concentração, pode matar. Por isso, é importante o sistema de escapamento estar sempre em perfeitas condições de funcionamento, sem vazamentos, componentes danificados ou bloqueios. E, claro, na hora da manutenção sempre dê preferência aos sistemas originais, mesmo que o preço do paralelo seja mais atraente, principalmente os catalisadores e os silenciadores, pois eles têm a contrapressão ideal para aquela calibração do motor.

Compartilhar:
Douglas Mendonça
Jornalista na área automobilística há 45 anos, trabalhou na revista Quatro Rodas por 10 anos e na Revista Motor Show por 24 anos, de onde foi diretor de redação de 2007 até 2016. Formado em comunicação na Faculdade Cásper Líbero, estudou três anos de engenharia mecânica na Faculdade de Engenharia Industrial (FEI) e no Instituto de Ensino de Engenharia Paulista (IEEP). Como piloto, venceu a Mil Milhas Brasileiras em 1983 e os Mil Quilômetros de Brasília em 2004, além de ter participado em competições de várias categorias do automobilismo brasileiro. Tem 64 anos, é casado e tem três filhos homens, de 17, 28 e 31 anos.
Ainda não há comentários! Seja o primeiro a comentar.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *