(Avaliação) BYD Yuan Plus EV é a ofensiva elétrica dos chineses. Melhor compra?

Já conhecendo o poder da BYD depois de alguns dias a bordo do grandalhão Tan EV, já esperava algo interessante do Yuan Plus EV, SUV médio elétrico que parece flutuar: não faz barulho, praticamente não polui, e tem poder pra andar muito bem com seus mais de 200 cv e quase 32 mkgf de torque. Zero poluição, zero combustão, (quase) mudo, mas com toda a força desde a inércia: pisou, andou, e em menos de 7,5 segundos ele atinge os 100 km/h. De início, já se mostrou mais divertido, por exemplo, que o Chevrolet Bolt e seu torque maior.

Para quem prometia, pelo menos, “algo interessante”, o Yuan Plus foi além já com um ponto-chave chamado preço: os R$270 mil que ele custa, caros de uma maneira geral, para um elétrico maior que um Jeep Compass, acabam sendo atraentes. E falando em SUV elétrico de preço competitivo, logo se lembra do Peugeot e-2008, concorrente que perde em alguns pontos, apesar de custar R$5 mil a menos e estar no “degrau de baixo” (o 2008 é SUV compacto).

Como grande chamariz, o preço competitivo para o mercado atual (Foto: Lucca Mendonça)

Como todo bom carro chinês que se preze, e seguindo a mesma lógica de “mais por menos” do Tan EV, o Yuan Plus consegue se sair ainda melhor que o Peugeot na tal relação custo X benefício: o BYD é bastante superior na capacidade de baterias (60,5 kWh), ganhando no valiosíssimo alcance total (420 km – ciclo WLTP), além do espaço interno que acompanha seu porte maior. Aliás, cabine bem generosa, com teto alto, assoalho plano e boa área envidraçada. Remete as minivans.

Yuan Plus tem porte interessante, que lembra até uma minivan. Aqui, ele ao lado de um Honda Fit: pelas fotos ele parece ser bem menor do que é (Foto: Lucca Mendonça)

Espaçoso (e muito diferenciado)

A escolha do mix de preto, azul marinho e creme do interior, fora os detalhes em vermelho e laranja, evitam a predominância do preto, que passa menor sensação de espaço. Espaço esse que sobra para os passageiros e faz conjunto com uma ergonomia agradável: na frente, os bancos tem estilo esportivo e agarram o corpo, mas com anatomia focada no conforto. Atrás, três adultos vão folgados para todos os lados, mas, depois de um tempo, o banco traseiro, plano e baixo demais, acaba cansando. Para as malas há um espaço razoável, com o pênalti do vão de abertura pequeno e alto.

A BYD fala em várias referências para os elementos da cabine do Yuan Plus, toda diferente, muito bem acabada, e, pelo incrível que pareça, funcional. Geralmente, forma e função não conversam muito bem entre si, mas nele existe um consenso: alguns apliques lembram conchas do mar, as saídas de ar mais parecem portas-CD, isso sem falar nas maçanetas internas em “meia-lua” sobre o alto-falante, manopla no estilo de manete de empuxo, botões variados no console central e, como cereja do bolo, três cordas como as de um violão em cada porta.

A dupla da telinha do painel de instrumentos (5”) e a telona da multimídia (12,8”), que gira eletricamente no próprio eixo, são até discrepantes pra quem vê. O painelzinho é “ajeitado” e integrado na coluna de direção (move com ela na altura e profundidade, evitando que algumas informações fiquem ocultas), da mesma forma que a “centralzona” tem sistema rápido e intuitivo como o de um celular moderno, além de aceitar comandos de voz para abrir janelas/teto-solar, mexer no A/C, controlar o rádio ou as luzes internas etc. Para tal tipo de tecnologia, os chineses da BYD são experts.

Essa miscelânia toda de formatos, texturas, cores, telinhas e telonas, profusa e quase confusa, é o que dá total identidade ao SUV elétrico da BYD: não vai ter nada por aí parecido e, muito menos, igual em outros modelos, nem mesmo os da própria marca. A cartilha para o design externo é a mesma, só que nesse caso a sobriedade fala mais alto. No geral, é difícil achar quem não goste ou ache ele feio, principalmente por fora. Já o interior…esse divide muitas opiniões. Gosto é gosto.

Como anda e quanto rende

Sem dúvidas, o que mais surpreendeu durante os 450 km de testes entre cidade e estrada com o Yuan Plus EV foi a robustez e suavidade, os dois ao mesmo tempo, que o carro transmite. Mérito de molas e amortecedores com curso enorme (mesmo “varando” lombadas e passando direto em “crateras”, não costumam dar batidas secas), silêncio e moleza para dar conforto aos ocupantes, mas solidez pra encarar a buraqueira. E, se faltar na dinâmica, o centro de gravidade baixo ajuda.

Comportamento das suspensões do Yuan Plus mostraram boa dose de engenharia. Nem os parachoques, baixos, raspam (Foto: Lucca Mendonça)

Normalmente não é esse o comportamento esperado de um carro pesado, elétrico, que faz tudo ficar mais barulhento, e, principalmente, chinês, que costuma penar no nosso piso. Esse BYD se comporta como um SUV bem abrasileirado nos pisos ruins, confortável e estancando tudo que pode, mas, ao mesmo tempo, roda “liso” nas rodovias e trechos com asfalto bom, facilitado pelo jogo de pneus borrachudo. Sem exageros, faz inveja a alguns utilitários consagrados, inclusive nacionais.

Com posição de guiar mediana, nem tão alta ou baixa, tudo é fácil de acessar ou mexer dentro do carro, muito porque, nesses BYD atuais, quase todos os sistemas já vêm em português, com exceção dos comandos de voz que só trabalham na base do inglês. Freios e direção contam com regulagens próprias: mais leve, mais pesado, modo esportivo e por aí vai, de acordo com o gosto de quem guia. Pena que a direção transmita tudo, tudo mesmo, ao volante, como no Tan EV: qualquer desnível ou “obstáculo” mínimo da pista é sentido. O modo Sport que endurece a assistência é um paliativo, mas, nas altas velocidades, onde a ação é imediata, requer cuidado.

A direção dos BYD, pelo menos no Tan e Yuan, parecem precisar de alguns ajustes. Chama a atenção o parachoque traseiro rente à tampa do porta-malas: a impressão é que a lata amassa antes do plástico numa colisão (Foto: Lucca Mendonça)

O Yuan tem bom alcance real, mas abaixo do oficial, que fala em 478 km no ciclo mais otimista. Viajando em média de 120 km/h e com ar-condicionado ligado, o consumo ficou entre 16,0 e 16,5 kWh a cada 100 km, ou seja, ao redor dos 6,15 km/kWh (372 km de alcance). Já na cidade, agraciado pela menor demanda de energia, o motor elétrico consome menos: em média, 14,3 kWh/100 km, ou quase 7 km/kWh. Assim, 419 km, beirando o número WLTP. Falta só uma regeneração mais forte, ou, se não for sonhar alto, um modo One Pedal: quanto mais energia reaproveitada, melhor.

Wallbox é “brinde”

E falando em energia e recarga, quem compra o Yuan Plus já pode levar um wallbox residencial da BYD, daqueles que pode ser instalado na garagem de casa ou do prédio. Mas o carro também recarrega em eletropostos, ou tomadas 220V (esse carregador não é oferecido de fábrica, mas pode ser comprado no mercado paralelo), lembrando que baterias maiores demoram mais tempo para se “encherem”. Sem segredos quanto a entrada: é tudo Tipo 2, no padrão mundial.

Yuan Plus é fácil de recarregar e não precisa daquele monte de adaptadores (Foto: Lucca Mendonça)

Melhor CxB?

Podemos quase considera-lo campeão, não de coeficiente de arrasto (Cx), mas sim na relação custo X benefício (CxB). Mas não seja por isso: por mais que seja SUV altinho, são apenas 0,29 de Cx, lapidando o melhor alcance total. Fica fácil pensar que, pelo valor que custa, tamanho que tem, força mecânica, nível de espaço interno e conteúdo, o BYD Yuan Plus é páreo duro não só para os elétricos, como também para os híbridos. É a ofensiva elétrica dos chineses!

« de 2 »

Ficha técnica:

Concepção de motor: Elétrico, dianteiro, refrigeração líquida de baterias e propulsor, conjunto de baterias de lítio-ferro-fosfato instaladas no assoalho, capacidade de energia de 60,5 kWh
Carregamento: entrada Tipo 2, recarga via eletropostos (de 1h10min a 7h30min, dependendo da força), wallbox (cerca de 7h30min) e tomadas 220V (cerca de 32h00min). Regeneração de energia configurável durante a condução
Potência: 204 cv
Torque: 31,6 mkgf
Suspensão dianteira: independente, McPherson, com barra estabilizadora
Suspensão traseira: independente, Multilink, com barra estabilizadora
Direção: com assistência elétrica progressiva
Freios: discos ventilados na frente e discos sólidos atrás
Pneus e rodas: Atlas Batman A51, medidas 215/55 e rodas de liga-leve aro 18
Dimensões (comprimento/largura/altura/entre-eixos): 4,45 m/1,87 m/1,61 m/2,72 m
Porta-malas: 440 litros
Alcance: 420 km (ciclo WLTP)
Peso em ordem de marcha: 1.700 kg
Aceleração 0 a 100 km/h: 7,3 segundos
Velocidade máxima: 160 km/h (limitada eletronicamente)
Preço básico: R$269.990

Itens de série:

Teto solar elétrico panorâmico com antiesmagamento, Rack de teto em Alumínio, Antena Shark, Rodas em liga leve em 18″, Carregamento de celular por indução, Cortina do teto solar com abertura retrátil, Interior Light Blue&GreyPainel de instrumentos TFT HD com 5″, Volante multifuncional com revestimento Premium sustentável, 4 entradas USB (2 frontais e 2 traseiras), 8 Alto-falantes, Multimídia com tela flutuante de 12.8″, Rotação elétrica da tela multimídia (2 posições), Abertura e fechamento dos 4 vidros elétricos com função One-touch, Retrovisores externos com desembaçador e rebatimento elétrico, Retrovisor interno eletrocrômico, Ar condicionado digital automático , Filtro PM2.5 de alta eficiência, Saída de ar para os bancos traseiros, Ajuste Manual da Coluna de Direção em altura e profundidade, Autohold (AVH), Direção elétrica (EPS), Freio de estacionamento eletrônico (EPB), Keyless (abertura/fechamento das portas e porta-malas), Modos de Condução – Eco, Normal e Sport, Sistema de partida remota pela Chave Inteligente, 6 Airbags, Assistente de descida (HDC), Assistente de saída em rampa (Hill Holder), Aviso de mudança de faixa (LDW), Assistente de permanência em faixa (LKA), Aviso do uso de cinto de segurança (todos os assentos), Câmera panorâmica 360° – com modo 3D, Controle Eletrônico de estabilidade (ESP), Detector de Ponto Cego (BSD), Distribuição Eletrônica de Frenagem (EBD), Freios ABS, Frenagem automática de emergência (AEB), Piloto automático adaptativo inteligente (ACC), Reconhecimento de Placas de trânsito (TSR), Sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, Sistema de Controle de tração (TCS), Sistema de Monitoramento da Pressão dos Pneus (TPMS), Ajuste elétrico do banco do motorista (6 posições), Ajuste manual do banco do passageiro dianteiro (4 posições), Banco traseiro bipartido (60/40), Revestimento em tecido Premium sustentável, Sistema ISOFIX de fixação de cadeira infantil, Faróis e lanternas em Full LED, Faróis com ajuste elétrico de altura do facho, Função Follow me Home, Sensor Crepuscular para acendimento automático dos faróis, Sensor de chuva, Comutação automática do farol alto, Luzes de Rodagem Diurna em LED (DLR), Luz ambiente configurável (cor e intensidade), Luzes de leitura dianteiras e traseiras touch em LED, Luz ambiente rítmica (acompanha o ritmo do sistema de som), Luzes indicadoras de direção dinâmicas na lanterna traseira, Freios regenerativos inteligentes

Compartilhar:
Com 21 anos, está envolvido com o meio automotivo desde que se conhece por gente através do pai, Douglas Mendonça. Trabalha oficialmente com carros desde os 17 anos, tendo começado em 2019, mas bem antes disso já ajudava o pai com matérias e outros trabalhos envolvendo carros, veículos, motores, mecânica e por aí vai. No Carros&Garagem produz as avaliações, notícias, coberturas de lançamentos, novidades, segredos e outros, além de produzir fotos, manter a estética, cuidar da diagramação e ilustração de todo o conteúdo do site.