(Lançamento) Tiggo 7 Sport é a mais nova “pechincha” da Caoa-Chery por menos de R$135 mil

A Caoa-Chery não quer perder mais espaço no mercado nacional, principalmente se for para outras chinesas como BYD e GWM. Por isso, cada vez mais, vem barateando sua linha de produtos enquanto investe em mais tecnologias, a exemplo dos 100% elétricos e híbridos plug-in. Depois de balançar o mercado lançando o SUV compacto Tiggo 5 Sport por menos de R$120 mil (hoje já caiu para 115) com pouquíssimas perdas de equipamento se comparado as versões mais caras, e combatendo a concorrência com a poderosa arma do custo X benefício, agora é hora de colocar para a briga o médio Tiggo 7, rival de Jeep Compass, Toyota Corolla Cross, Honda ZR-V, Chevrolet Equinox etc.

Se o SUV intermediário já tinha preço bastante interessante em sua versão normal e bem completa Pro (R$170 mil), o negócio se torna mais interessante na inédita Sport, que passa a ser vendida no mercado brasileiro por R$134.990, ou pouco mais de R$125 mil no caso das vendas para Pessoas com Deficiência (PCD). Além do porte atraente para o segmento (é maior que alguns de seus principais rivais), o Tiggo 7 Sport custa, hoje, o mesmo que a Jeep pedia por um Compass de entrada lá em 2021. Sem contar que o Caoa-Chery, mesmo perdendo algum recheio por esses R$35 mil a menos, segue com diversos itens de série, e produzido na fábrica de Anápolis (GO).

São itens padrão na versão Sport os 6 airbags, banco do motorista com ajustes elétricos, interior com iluminação em LED personalizável, bancos em couro artificial, conjunto óptico em LED, painel de instrumentos digital (12,3”), multimídia completa (10,2”), chave presencial, partida do motor por botão, freio de mão eletromecânico com função Auto Hold, ar-condicionado automático digital, carregador sem fio para smartphones, retrovisor interno fotocrômico, sensor de chuva, retrovisores externos rebatíveis e rodas aro 18 escurecidas.

Ele passa a ser só R$5 mil mais caro que um Tiggo 5 Pro (SUV compacto topo de linha), e fica ainda mais longe dos valores cobrados pela concorrência (o mais em conta dentre os médios é o Corolla Cross XR, de mais de R$162 mil, enquanto o queridinho Compass começa em R$185 mil). Ainda para constar, hoje um VW T-Cross 200 TSI, versão de entrada se não considerarmos a Sense PCD, não sai por menos de R$143 mil. Lembrando que o VW é um SUV compacto, enquanto o Tiggo 7 está no andar de cima, no segmento médio.

Foto: Caoa-Chery/divulgação

A Sport só não tem a mesma lista de equipamentos da versão Pro pela ausência do teto-solar panorâmico, câmera 360º, pacote Max Drive de assistentes de condução (piloto automático adaptativo, alerta de colisão com frenagem autônoma de emergência e alerta de saída de faixa ativo), e, principalmente, pela troca de motor: essa versão mais em conta deixa de lado o 1.6 TGDI (Turbo Gasoline Direct Injection), que entrega 187 cv de potência com cerca de 28 mkgf de torque, para usar o 1.5 turboflex emprestado dos irmãos menores, com até 150 cv e 21,4 mkgf. Sai de cena também a transmissão automatizada de dupla embreagem com sete velocidades, substituída por uma caixa CVT com simulação de nove marchas.

Como vantagem, o Tiggo 7 “pechincha” pode beber também etanol, coisa impossível na versão Pro mais cara (que segue normalmente em linha, pelo menos por enquanto), e, segundo a marca, ainda consegue bons números de aceleração e desempenho, graças a reprogramações do motor 1.5 turboflex e do câmbio CVT. Oficialmente, o SUV demora 10,7 segundos para ir de 0 a 100 km/h, atingindo os 180 km/h de velocidade máxima, enquanto o consumo, medido pelo INMETRO, não anima tanto: nos testes do Instituto, foram até 6,9 km/l na cidade e 8,3 km/l na estrada quando abastecido com etanol, ou 10 km/l e 11,7 km/l, respectivamente, se for usado com gasolina. Para um carro com não muito mais do que 50 litros de capacidade do tanque de combustível, podem decepcionar os números de alcance máximo em viagens.

E, além de lançar sua mais nova “pechincha automotiva”, desta vez para o segmento de SUVs médios, a Caoa-Chery ainda anunciou outras pequenas novidades para a linha Tiggo 7: todas as versões passam a usar a mesma grade com pontos cromados e efeito 3D da versão Híbrida, enquanto o porta-malas cresce 50 litros graças a mudanças no seu formato interno (perdeu o compartimento separado abaixo do assoalho, chegando agora a bons 525 litros de capacidade). O Tiggo 7 Sport, já da linha 2025, deve começar a chegar nas concessionárias da marca na segunda quinzena de março, com três opções de cores: Branco Perolizado, Preto Metálico e Cinza Metálico.

Compartilhar:
Com 21 anos, está envolvido com o meio automotivo desde que se conhece por gente através do pai, Douglas Mendonça. Trabalha oficialmente com carros desde os 17 anos, tendo começado em 2019, mas bem antes disso já ajudava o pai com matérias e outros trabalhos envolvendo carros, veículos, motores, mecânica e por aí vai. No Carros&Garagem produz as avaliações, notícias, coberturas de lançamentos, novidades, segredos e outros, além de produzir fotos, manter a estética, cuidar da diagramação e ilustração de todo o conteúdo do site.