(Lançamento) BMW i5, uma Série 5 metida a M5, desembarca no Brasil por R$760 mil

A mais nova geração do BMW Série 5 já está entre nós, só que, por enquanto, apenas na versão elétrica i5, já que uma híbrida plug-in chegará mais para frente, para bater de frente com a nova Mercedes Classe E. A i5, que segue os passos da irmã maior i7 (Série 7 elétrica), chega em época de aniversário: 34 anos desde que a primeira Série 5 foi importada para o Brasil, lá em 1990, ainda em sua terceira geração. Agora, quem chega por aqui é o sedan em sua geração 8, só para que se tenha uma ideia da evolução nessas três décadas e meia.

A i5 é feita sobre a base modular CLAR, e, se comparada ao modelo anterior, está maior em todos os sentidos: chega agora aos 5,06 m de comprimento (quase 10 cm a mais), 1,90 m de largura (cresceu pouco mais de 3 cm), 1,51 m de altura (mais 3,5 cm) e avantajados 2,99 de distância entre-eixos (um plus de 2 cm), e mostra um design totalmente inédito, similar ao dos atuais Série 3 e Série 7, mas sem exageros como no tamanho da grade dianteira. Para a maioria, e honrando o histórico de beleza das gerações passadas, o sedan executivo BMW segue bonito, classudo e com um bom toque esportivo.

Por fora, se destaca a nova grade iluminada, as rodas diamantadas aro 20 e, no caso da i5 elétrica, o “duplo rim” da marca com aplique escurecido e aletas fechadas, o que melhora a aerodinâmica. A redução no número de botões e comandos da cabine é outra novidade, assim como a tela curvada única incluindo os instrumentos digitais de 12,3” mais a multimídia de 14,9”, que, aliás, permite comandos por voz e também por gestos, sem necessidade de toques físicos. Muito disso já estava na i7, topo de linha da marca alemã.

Na i5 são dois motores elétricos, um ligado a cada eixo, totalizando brutais 601 cv de potência e mais de 83 mkgf de torque imediato para as quatro rodas motrizes. Com esse poderio todo, o sedanzão de 2.200 kg consegue ser até mais rápido que uma esportiva M5 de geração anterior: leva apenas 3,8 segundos na prova de 0 a 100 km/h, e corre, por limitação eletrônica, até os 230 km/h. O alcance com uma carga completa pode passar dos 580 km (ciclo WLTP), ainda que, pelas métricas nacionais do ciclo PBEV, esse número caia para aproximadamente 390 km. Suas baterias tem 81 kWh.

Além de uma função de máxima eficiência chamada Max Range, que elimina o uso de itens de conforto (ar-condicionado, por exemplo), reduz o desempenho e limita a velocidade máxima até 90 km/h, ganhando assim até 25% mais autonomia, o sedanzão traz de série dois carregadores, sendo um residencial portátil para tomadas 220V (11 kW) e outro wallbox de parede com 22 kW. A BMW destaca que, para uma carga completa, o i5 precisa ficar conectado na energia por 4h15min se for utilizado o wallbox incluso, mas seu sistema elétrico e eletrônico permite recargas ultrarrápidas de até 205 kW. Nesse caso, 70% da carga são recuperados em 30 minutos.

A lista de tecnologias e funcionalidades do sedan elétrico é extensa, até como forma de justificar seu preço na casa dos R$760 mil (o híbrido plug-in deve vir mais barato, até porque o Mercedes Classe E a combustão é vendido por R$640 mil). Ele, por exemplo, pode rodar como um veículo autônomo de nível 3, dispensando a atuação física e visual do condutor: o motorista só precisa ir sentado no seu posto para agir em situações de emergência. A legislação e o asfalto brasileiros, por enquanto, ainda não permitem tais inovações, porém quem comprar a i5 por aqui ainda terá disponível uma série de assistentes de condução e sistemas de segurança ativos.

O Park Assist, que estaciona sozinho, nela controla também o freio e acelerador (o motorista não faz nada durante o processo de baliza automática), seu sistema de som conta com 665 Watts de potência e assinatura da Bowers & Wilkins, a tecnologia IconicSound oferece várias trilhas sonoras compostas pelo Hans Zimmer para tocarem durante a condução, as chaves no i5 podem ser digitais (tecnologia NFC), a multimídia traz embutido o assistente virtual Alexa, existem vários comandos remotos pelo smartphone graças ao app My BMW App (lá também é possível ver o estado geral do carro à distância e encontrar pontos de recarga), e a conexão com celulares Android e IOS é feita sem fio.

A novidade elétrica desembarca por aqui em versão única, chamada de M60, contando com dez opções de cores para a carroceria: Branco Alpino, Preto Safira, Preto Carbono, Cinza Sophisto, Branco Mineral, Azul Phytonic, Cinza Oxide, Cinza Brooklyn, Verde Cape York e Vermelho Fire (o lindo tom de cereja do carro das fotos). A cabine revestida em couro conta com outros três tons, escolhidos pelo comprador: preto, marrom ou gelo. Quem busca praticidade pode ainda abater o custo total das revisões programadas dos próximos quatro anos pelo serviço BMW Service Inclusive, sem limite de quilometragem. Esse valor pode ser diluído no financiamento ou então pago integralmente na compra do carro.

Compartilhar:
Com 21 anos, está envolvido com o meio automotivo desde que se conhece por gente através do pai, Douglas Mendonça. Trabalha oficialmente com carros desde os 17 anos, tendo começado em 2019, mas bem antes disso já ajudava o pai com matérias e outros trabalhos envolvendo carros, veículos, motores, mecânica e por aí vai. No Carros&Garagem produz as avaliações, notícias, coberturas de lançamentos, novidades, segredos e outros, além de produzir fotos, manter a estética, cuidar da diagramação e ilustração de todo o conteúdo do site.