Como a Stellantis está salvando a vida do Novo Peugeot 208

Filho do 207 e neto do emblemático 206, um dos carros mais marcantes do mundo da virada do milênio, o Peugeot 208 agradou e fez relativo sucesso na sua primeira geração no Brasil, lançada em meados de 2013. Seus principais pontos fortes estavam na excelente dirigibilidade, bom conteúdo de série e, principalmente, design que encantava praticamente todo mundo.

Lançado em 2013 como linha 2014, o 208 chegou cheio de virtudes (Foto: Peugeot/divulgação)

A maior justificativa do sucesso desse primeiro 208 foi comprovada pelos 7 anos que ele permaneceu a venda no mercado nacional, sobrevivendo por todo esse tempo apenas com algumas mudanças aqui e ali. Claro que não chegava a peitar os líderes de mercado, mas era um modelo bem aceito pelo público consumidor brasileiro.

Pois bem. No segundo semestre de 2020, enquanto o mundo atravessava o auge de uma pandemia, a Peugeot lançava no Brasil o inteiramente Novo 208. O carro era literalmente outro, seja pelo desenho interno e externo, plataforma, tecnologia e muito mais. Agora ele passava a usar a base modular CMP, a mesma dos irmãos maiores 3008 e 5008, e recebia uma enxurrada de itens de série pra lá de interessantes. Outra mudança foi no seu local de produção: antes, na primeira geração, ele era feito na planta de Porto Real, no Rio de Janeiro, mas agora passava a vir importado de El Palomar, na Argentina. Um automóvel diferenciado dos demais concorrentes.

A segunda geração do modelo mantinha apenas o nome em comum com seu antecessor. Tudo era diferente, até o local de produção (Foto: Peugeot/Divulgação)

Duas coisas incomodaram nessa nova geração: preço elevado (indo de R$75 mil a quase R$100 mil) e a falta de uma mecânica mais moderna, já que ele manteve o antigo motor 1.6 16V EC5 de 115/118 cv e 15,4/15,5 mkgf de torque (gasolina/etanol) em toda a linha. De início só tinha a opção de câmbio automático, no caso o consagrado Aisin AT6, mas, depois de alguns meses, chegaram duas versões de entrada com transmissão manual de 5 marchas. Tudo na tentativa de resolver o problema do preço, já que a expectativa de vendas no lançamento não agradou tanto assim, e depois dele também.

Mas parecia que algo ia muito contra esse Peugeot: mesmo com preço básico reduzido e mais opções para o consumidor, ele simplesmente não embalava no ranking de vendas. Bom, bonito, muito bem equipado, cheio de tecnologias exclusivas e que, olhando seus antecessores, tinha tudo para decolar. Mas estava difícil: em outubro, seu primeiro mês cheio, foram apenas 494 unidades emplacadas, número que cresceu para 1.100 em novembro. Parecia que o sucesso estava vindo aos poucos, mas era só impressão, já que depois disso ele não superou mais a casa dos mil carros/mês. Lembrando que seus principais rivais de preço, Toyota Yaris e VW Polo, vendiam até então, em média, o dobro e triplo do Peugeot 208, respectivamente.

A mecânica deixou a desejar, já que a Peugeot apostou no antigo 1.6 16V aspirado. Somando isso com o preço alto, tínhamos o motivo das vendas baixas (Foto: Lucca Mendonça)

A era Stellantis

A fusão da PSA (Peugeot e Citroën) com a FCA (Fiat Chrysler Automobile) gerou a Stellantis em janeiro de 2021. A partir daquele momento, Fiat, Jeep, Peugeot, Chrysler, Citroën, Dodge e DS, por exemplo, passavam a ser divisões de um mesmo grupo, o que possibilitou várias mudanças e melhorias nas marcas mais necessitadas, como era o caso da PSA no Brasil, que trazia um histórico de baixas vendas e instabilidade financeira há algum tempo. Sem dúvidas, essa fusão foi um alento para as marcas francesas não só no mercado nacional, mas também no restante do mundo.

A união entre PSA (Peugeot e Citroën) e FCA (Fiat Chrysler Automobile) gerou o enorme grupo Stellantis (Foto: divulgação)

A partir de maio de 2021, os planos do grupo finalmente se uniram no Brasil, e foi aí que a majoritária FCA começou a agir sobre a PSA. O know-how da Fiat em seus quase 50 anos no mercado brasileiro foram indiscutivelmente úteis, e, no caso do 208, seriam necessárias apenas algumas mudanças para o cenário do modelo mudar por completo por aqui. No primeiro mês cheio, o compacto da Peugeot saltou para as 1.141 unidades comercializadas, o maior número desde seu lançamento, e em junho o 208 superou todos os seus recordes, emplacando nada menos que 1.738 carros. É mais que o dobro da média de vendas de 2020.

No início de julho, na linha 2022, a boa surpresa veio com o reposicionamento de preços do 208 no mercado nacional, que teve reduções de até R$7.800, resolvendo um dos seus principais problemas. Além disso, algumas versões menos vendidas saíram de cena, a exemplo da Active Pack das fotos. Menos preço para conquistar mais consumidores, e menos versões para facilitar o processo de importação e venda por aqui.

Aplicando o know-how da Fiat, agora parceira da Peugeot dentro da Stellantis, o 208 começava a embalar nas vendas (Foto: Lucca Mendonça)

A situação já mudava de figura, e o hatch compacto francês chegou até a figurar entre os 5 carros mais vendidos do mercado nacional na primeira semana de julho, fechando o mês com pouco menos de 1.700 emplacamentos. Foi uma queda de aproximadamente 6% quando comparado com junho, mas a instabilidade no ranking de vendas é totalmente aceitável no momento atual. Mesmo assim, é extremamente promissor para um carro que mal emplacava 800 unidades/mês até um tempo atrás.

Segundo fontes confiáveis de dentro da Stellantis, as únicas mudanças realizadas pelo grupo com relação ao Novo 208 foram “em pessoas e processos”, ou seja, novo pessoal compondo o time da marca e mais eficiência nos processos de produção, importação, distribuição e vendas. O aumento das vendas diretas também acusa uma possível parceria maior com locadoras, área que a FCA já atuava com força com Fiat Argo/Cronos e Jeep Renegade/Compass. Novamente, o know-how provando seu valor.

Mas o carro é tão bom assim?

O Peugeot 208 segue a cartilha dos carros franceses, ou seja, aposta em algo diferente e exclusivo quando comparado com seus concorrentes. Podemos citar essa “exclusividade” no design interno e externo, posição de dirigir e conteúdo de série. Três pilares que, não por coincidência, são os principais argumentos de venda do 208. O i-Cockpit, que é composto pelo volante pequeno de dois raios, painel de instrumentos em posição elevada e multimídia no topo do painel, é um diferencial e tanto, assim como o teto panorâmico disponível em algumas versões.

O i-Cockpit, exclusividade dos Peugeot, é um dos pontos fortes do 208 (Foto: Lucca Mendonça)

É um carro diferenciado também pela boa oferta de equipamentos em todas as versões, com direito até a alguns pioneirismos no segmento, como o leitor de placas de sinalização, acabamento interno em Alcantara e até mesmo o próprio teto panorâmico. Os “poréns” ficam pelo desempenho contido e espaço interno limitado para o porte do carro, incluindo um porta-malas de apenas 265 litros. Em compensação, ele consegue ser até mais econômico que alguns outros hatches com propulsor turbo, registrando médias de aproximadamente 12,0 km/l na cidade e 17,5 km/l na estrada (abastecido com gasolina e com modo ECO ativado).

Em uma avaliação mais completa da versão topo de linha Griffe, que você pode ler clicando aqui, demos mais detalhes do modelo, mas, de uma maneira geral, estamos falando de um ótimo produto em praticamente todos os sentidos. Algumas coisas pesam negativamente aqui e acolá, mas é uma excelente opção no segmento que ele atua.

Apesar de algumas mancadas aqui e acolá, estamos falando de um excelente produto dentro do seu segmento (Foto: Lucca Mendonça)

Os planos para o 208 no futuro

Os planos são promissores. Fontes internas da Stellantis alegam que transferir a produção do modelo para o Brasil ainda não vale a pena, porque os números de venda, apesar de animadores, ainda são tímidos para o segmento. Para passar a ser fabricado novamente em Porto Real (RJ), o 208 teria que vender ao redor de 100 mil unidades por ano, o que ainda está bem longe de ser alcançado. Talvez, em um futuro não muito distante, essas metas sejam batidas, já que a intenção do grupo seja fazer o hatch da Peugeot vender cada vez mais.

Para voltar a ser feito em Porto Real, como sua antiga geração, o Novo 208 deve vender ao menos 100 mil carros/ano (Foto: Peugeot/divulgação)

Por enquanto também não estão previstas outras mudanças na gama de versões do modelo, e o 208 elétrico (e-208 GT), disponibilizado para pré-venda no lançamento em 2020, está em processo de entrega aos proprietários.

A cereja do bolo deverá ser o novo conjunto mecânico, consertando o outro grande ponto fraco do hatch francês: desempenho contido. Trata-se da nova família de motores Turbo GSE desenvolvida pela Fiat, e que também vai equipar Argo, Cronos, Strada e o futuro Pulse, além do Jeep Renegade. No 208, teremos a variante 1.0 superalimentada, com aproximadamente 125 cv e 20,5 mkgf de torque, e que deverá trabalhar com o mesmo câmbio automático Aisin de 6 marchas que temos hoje. Essa será outra alavanca de vendas do modelo, e o atual 1.6 16V EC5 deverá sair de linha, matando de vez o rótulo de “manco” para o 208.

As novidades mecânicas, incluindo a adoção do motor 1.0 turbo da Fiat, prometem dar uma reviravolta na vida do modelo (Foto: Stellantis/divulgação)

Pelo jeito teremos outra fase do hatch compacto da Peugeot no Brasil, muito mais promissora que a anterior. Preços e versões reajustados e a nova mecânica mais moderna deverão se aliar ao visual bem acertado, ótima oferta de equipamentos de série e dirigibilidade ímpar para tornar, quem sabe, o Peugeot 208 um dos queridinhos do mercado brasileiro. O plano está se concretizando, os “pauzinhos” estão sendo mexidos e os números de vendas já mostram os resultados práticos disso. A sorte está lançada, é esperar pra ver…

Compartilhar:
Tem 20 anos, atualmente cursa Publicidade e Propaganda na Universidade Paulista, é filho do jornalista Douglas Mendonça, e desde que se conhece por gente, convive com carros e está envolvido no mundo automobilístico. Aprendeu a ler nas revistas automotivas, cresceu frequentando oficinas, corridas, encontros e eventos com o pai, e daí veio sua maior paixão: os carros. Um gearhead legítimo, Lucca se tornou o braço direito do pai após sua perda de visão em 2012, ajudando na produção de matérias, reportagens, avaliações e textos sobre carros. No Carros & Garagem, é responsável pela cobertura de eventos de lançamento de novos veículos, e produz avaliações, fotos e comparativos de modelos. Os carros estão até nos seus hobbies: Possui um acervo com mais de 300 manuais do proprietário de veículos diversos, incluindo antigos e modernos, além de colecionar revistas, folders, catálogos, e vários outros materiais automotivos.