(Avaliação) Audi Q3 Sportback usa roupa da moda e esconde um segredo

Muita coisa mudou na vida do Q3 de segunda geração desde que ele chegou por aqui em 2020. Os primeiros, vindos da Hungria, para se ter uma ideia só tinham a opção do motor 1.4 turbo de 150 cv do VW T-Cross. Tudo está diferente, e para melhor: o 1.4 turbo saiu de cena, entrou o 2.0 turbo, o câmbio de seis marchas foi trocado por outro com oito, ele recebeu tração integral de série e agora temos o seu coupé Sportback. As cores chamativas, essas continuam.

A Audi tem investido nas cores diferentonas, como esse Laranja Pulse ou aquele Azul Turbo ao fundo (Foto: Lucca Mendonça)

Espírito paranaense

Pode chama-lo de brasileiro: absolutamente tudo vem de fora (até pneus e bateria), mas a montagem é feita em São José dos Pinhais, no Paraná. Isso já é o suficiente para esse Q3 ostentar o adesivo “Indústria Brasileira” debaixo do capô e ser tratado como um produto nacional. É um dos carros mais caros Made in Brazil: esse Sportback Performance Black, topo de linha, custa R$359 mil. Pra efeito de curiosidade, um Q3 convencional tem preço menor, provando que a roupa da moda custa mais.

Carroceria coupé está na moda no mundo de SUVs (Foto: Lucca Mendonça)

Toda a linha Q3 agora traz de série o bom e velho 2.0 turbo a gasolina (EA-888), com injeção direta estratificada e duplo comando variável. Grande, tem bloco fundido em ferro, mas boa dose de confiabilidade e robustez. É um motor consagrado há anos mundo afora, aqui com 231 cv de potência e 34,7 mkgf de torque antes dos 1.800 rpm. A fórmula dele é boa: entrega muito torque com pouca rotação. Graças a tração integral Quattro, também de série, as quatro rodas recebem a força gerenciada pelo câmbio automático de 8 marchas.

EA-888 também está aqui, mas junto de um câmbio convencional de 8 marchas (Foto: Lucca Mendonça)

Há quem reclame de não ter nesse SUV um câmbio de dupla embreagem. Ok, ele é o único carro vendido hoje com motor EA-888 e transmissão automática epicíclica, no caso a Aisin AQ450 (surpresa por não ser a tradicional ZF 8HP), mas um DSG dificilmente faria um trabalho melhor. Assim coupé, o Q3 não fica muito longe de um VW Jetta GLI, mais leve e com torque maior, que usa o DSG7. Oficialmente são apenas 7 segundos pra ir de 0 a 100 km/h, ou seja, o câmbio trabalha com excelência na sua função.

Quase MHEV: segredo

No painel de instrumentos, uma marcação de faixa verde (simulando geração de energia) e recarga de alguma bateria durante o uso chamou a atenção. Diagrama igualzinho ao dos Audi semi-híbridos, mas esse auxílio elétrico de 48V não existe nos Q3. Aquele indicativo, na verdade, mostra uma tecnologia que pouca gente sabe e fala nesse SUV coupé: frenagem regenerativa para geração de energia, que, em desacelerações ou uso dos freios (inclusive o motor), transforma aquele esforço em energia.

Sistema que regenera energia, mas sem propulsão elétrica, é praticamente um segredo dele (Foto: Lucca Mendonça)

Essa tal energia vai parar numa pequena bateria, assim como acontece nos híbridos, mas, ao invés de ajudar o motor, abastece a parte elétrica do carro. O alternador, que precisa trabalhar menos, agradece. Uma solução inteligente que faz do Q3 Sportback um “quase semi-híbrido”.

O foco dessa tecnologia também é reduzir as emissões de gases poluentes e baixar um pouquinho o consumo, até porque o alternador trabalha menos e, assim, toma menos força do motor. Enquanto isso, o EA-888, em carros maiores e mais pesados, como o Q3, bebe bastante gasolina na cidade, compensando isso com ótimo consumo rodoviário. A diferença chega a assustar nesse SUV avaliado: em que pese o Start&Stop, é difícil ir além dos 8,5 km/l de média urbana, enquanto guiando sem pressa na estrada esse número chega perto de dobrar (16,7 km/l rodando a 100 km/h nas melhores condições). Somando isso com o silêncio a bordo, é um carro ótimo pra viajar!

Único

O Q3 Sportback reina sozinho: é o único desse segmento com carroceria coupé que não seja elétrico. Pelo menos por enquanto. Sua carroceria é mais longa, até que a dos Q3 convencionais (pouca coisa, resultado do parachoque traseiro mais pronunciado e esportivo), enquanto a altura total é cerca de 5 cm menor. Para o nosso mercado a carroceria foi erguida em alguns milímetros, o que não influencia em praticamente nada na dinâmica, mas o vão maior da caixa de roda é nítido.

Carroceria coupé é mais longa que a convencional. Suspensões são erguidas no carro nacional (Foto: Lucca Mendonça)

Falando em dinâmica, ela é excelente graças a tração integral permanente. Mesmo com centro de gravidade elevado, nem as curvas mais rápidas ou mudanças bruscas de direção o tiram da trajetória. E a eletrônica está sempre lá para ajudar quando algo sai do previsto. Pouco lembra um SUV de tração dianteira, a não ser pela sensação de condução e direção com peso mais acentuado.

Dinâmica afinadíssima e condução das melhores (Foto; Lucca Mendonça)

Interessante, assim como o trabalho geral das suspensões, que ficam no meio do caminho entre conforto e estabilidade. Reclamam um pouco nos pisos ruins, mas nada anormal pra um carro premium brigando com nosso asfalto complicado. Se precisar, o Drive Select (seletor de modos de condução da marca), tem a opção off-road que prepara o conjunto pra algum tipo de aventura mais fora de estrada. Sem abusar, claro.

Como antes…

Q3, comum ou sportback, tem alguns pontos em comum com a primeira geração (Foto: Lucca Mendonça)

Das portas pra dentro, todos encontram acabamento refinado (ainda bem!), mas espaço razoável, como sempre foi característica desse Audi. Desde a primeira geração. Na dianteira é tudo as mil maravilhas com bancos ajustáveis pra todos os lados e posição acertada, ainda que atrás haja espaço mais limitado para pernas e ombros. Importante ressaltar que, na altura interna, a folga é grande, seja na frente ou atrás. Geralmente esse é um problema dos coupés, mas não aqui.

O banco traseiro é estreito, inclusive abrindo espaço para dois porta-trecos, um cada lateral dos assentos, no vão entre o banco e as portas. Caberia outro mais largo. Na prática, nele viajam quatro pessoas com conforto e direito a saídas de ar mais portas USB. Sobra para o porta-malas e seus generosos 530 litros. Quem precisar aumentar mais o espaço pra bagagens (e diminuir o espaço das pernas atrás), pode correr um pouco o banco traseiro sobre trilhos, pra frente ou para trás.

530 litros de porta-malas e banco traseiro corrediço (Foto: Lucca Mendonça)

Resumindo…

Quem busca um SUV premium coupé e não quer partir pra um elétrico não tem muito pra onde fugir a não ser da linha Audi: Q3 Sportback ou, se precisar de algo maior, Q5 Sportback. No conjunto da obra colocado na balança, leia-se pique esportivo, tecnologia semi-híbrida, conjunto mecânico aprimorado, dinâmica apurada, segurança, conforto e dirigibilidade das boas, nada supera a roupa da moda que veste tudo isso: a de SUV, ainda por cima coupé.

ps: segundo a Audi, os Q3 2023 já trazem de série o piloto automático adaptativo (ACC), inexistente nesse modelo 2022 das fotos. A falta de qualquer assistente de condução era recorrente na linha A3 e Q3, por culpa da crise de chips semicondutores, mas parece que isso está se resolvendo aos poucos.

 

Ficha técnica:

Concepção de motor: 1.984 cm³, gasolina, quatro cilindros, 16 válvulas (quatro por cilindro), turbo, injeção direta, duplo comando de válvulas, variador de fase na admissão e escape, bloco em ferro fundido e cabeçote em alumínio
Transmissão: automática com conversor de torque com oito marchas e possibilidade de trocas manuais na alavanca ou paddle-shifts no volante
Potência: 231 cv entre 5.000 e 6.600 rpm
Torque: 34,7 mkgf entre 1.700 e 4.500 rpm
Suspensão dianteira: independente, do tipo McPherson
Suspensão traseira: independente, do tipo multilink
Direção: com assistência elétrica progressiva
Freios: discos ventilados nas quatro rodas
Pneus e rodas: Bridgestone Alenza 001, medidas 235/50 e rodas de liga-leve aro 19
Dimensões (comprimento/largura/altura/entre-eixos): 4,50 m/1,84 m/1,57 m/2,68 m
Porta-malas: 530 litros
Tanque de combustível: 62 litros
Peso em ordem de marcha: 1.676 kg
Aceleração 0 a 100 km/h: 7,0 segundos
Velocidade máxima: 240 km/h (limitada eletronicamente)
Preço básico: R$333.990 (carro avaliado: R$358.990)

Itens de série:

Espelhos retrovisores externos eletricamente ajustáveis e aquecíveis, Espelho retrovisor interno antiofuscante automático borderless, Ar-condicionado digital automático com 2 zonas, Sistema de alarme antifurto, Tampa do compartimento de bagagem com abertura elétrica automática, Keyless entry/Go (Chave conforto presencial), Tomada de 12 volts e 2 portas USB para a área do banco traseiro, Audi virtual cockpit plus 12,3″, multimídia MMI Plus touchscreen 10″, Audi premium sound system, Audi smartphone interface, Audi Phone Box light (carregador de celular sem fio), Sensores de estacionamento dianteiros e traseiros com a função Parking assist, ACC (Piloto Automático Adaptativo), Freio de estacionamento eletromecânico, Função Auto Hold, Controle de cruzeiro com limitador de velocidade, Câmera de ré, Audi Drive Select, Airbags frontais para motorista e passageiro, Airbags laterais dianteiros e sistema de airbag para cabeça, Cintos de segurança com sensor de afivelamento para todos os ocupantes, Sistema Start-Stop, Rodas de liga-leve aro 19, Faróis full-LED, Teto-solar, Bancos em couro e camurça com ajustes elétricos para o motorista

Compartilhar:
Com 21 anos, está envolvido com o meio automotivo desde que se conhece por gente através do pai, Douglas Mendonça. Trabalha oficialmente com carros desde os 17 anos, tendo começado em 2019, mas bem antes disso já ajudava o pai com matérias e outros trabalhos envolvendo carros, veículos, motores, mecânica e por aí vai. No Carros&Garagem produz as avaliações, notícias, coberturas de lançamentos, novidades, segredos e outros, além de produzir fotos, manter a estética, cuidar da diagramação e ilustração de todo o conteúdo do site.