Vai trocar rodas e pneus? Saiba os cuidados a tomar

A grande maioria das pessoas acredita que, para trocar as rodas do carro, basta que os furos de fixação sejam coincidentes. Mas, tecnicamente falando, a coisa não é bem assim: é preciso prestar atenção a outros pontos que podem comprometer a dirigibilidade do veículo.

Para começar, saiba bem a procedência das rodas e pneus que irão ser colocados no seu carro: Evite sempre o uso de pneus remoldados e procure não colocar rodas “falsas” ou de baixa qualidade. Isso, no futuro, pode ocasionar problemas no seu carro e, em alguns casos, oferecer perigos durante a condução, como acidentes por estouros de pneus remoldados ou quebra de rodas paralelas com o veículo em movimento. Coisa séria que pode colocar você e os ocupantes do seu carro em perigo.

Para começo de conversa, é preciso que o diâmetro final do conjunto roda/pneu tenha o mesmo diâmetro que o conjunto roda/pneu original. E explico o porquê: Quando a roda modificada tiver diâmetro diferente da original, como, por exemplo, substituir uma roda de aro 15 por outra de aro 16, será preciso compensar essa diferença no diâmetro das rodas utilizando pneus de perfil mais baixo.

Se o seu carro, por exemplo, utiliza pneus 195/60 com aro 15 como medida original, para usar uma roda de aro 16 você precisará utilizar pneus na medida 205/50, para que o diâmetro final das novas rodas tenha exatamente o mesmo diâmetro das originais. Esse cuidado é fundamental para que a relação final de transmissão do carro fique exatamente igual ao que os engenheiros previram no desenvolvimento do modelo.

Se você não tomar esses cuidados e colocar pneus com medidas maiores que aquelas recomendadas acima, o maior diâmetro do conjunto tornará a relação final de transmissão muito longa, piorando as acelerações e as retomadas de velocidade, além de comprometer o consumo de combustível.

Caso você utilize pneus de medidas menores do que aquelas que foram recomendadas acima como ideais, certamente você tornará a relação final de transmissão muito curta, aumentando o nível de ruído nas estradas, além de também piorar sensivelmente o consumo de combustível.

Isso sem contar que essa mudança na relação final de transmissão pode afetar até mesmo os cálculos do computador de bordo, prejudicar o indicador de pressão nos pneus (TPMS), e até mesmo interferir negativamente no funcionamento de sistemas eletrônicos como ABS e ESP.

E outras considerações devem ser feitas: pneus mais largos, apesar de aumentarem a aderência lateral e melhorarem as frenagens, aumentam o arrasto aerodinâmico e o atrito com o solo, piorando o desempenho e aumentando o consumo, além de tornarem mais perigosos os riscos de aquaplanagem nos dias chuvosos.

Em contrapartida, pneus mais estreitos, apesar de reduzirem o arrasto aerodinâmico e o atrito de rolamento, pioram sensivelmente a aderência lateral e aumentam os espaços e frenagens. E, é claro, pneus mais estreitos são menos sensíveis a aquaplanagem.

Por isso, antes de substituir rodas e pneus, pense muito bem no que você vai fazer. Os resultados finais podem ser esteticamente bons, mas tecnicamente desastrosos. Só substitua o conjunto original roda/pneu se você tiver a certeza do resultado final: Deixar o carro esteticamente mais bonito e adequado ao seu gosto, mas sem que isso afete sua performance em quaisquer circunstâncias. Vá em frente com a troca, mas seja sempre sensato.

Compartilhar:
Ainda não há comentários! Seja o primeiro a comentar.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *