(Avaliação) Toyota Yaris Sedan XS: entre razões e emoções

Depois que tirou de linha o, totalmente racional, Etios Sedan, a Toyota teve que trabalhar no seu outro compacto: o Yaris Sedan. Ele não é o rei da razão como seu extinto irmão menor, mas também passa longe de ser o carro mais emocionante do segmento. Beleza? Requinte? Tecnologia de ponta? Super mecânica? Ele troca tudo isso por um belo conjunto de suspensões confortáveis, resistência, robustez, espaço interno e porta-malas pra toda a família. Mas, calma lá: ele vai além disso…

Esse Yaris que temos hoje é o mesmo desde 2017, e no exterior já existe uma nova geração. Não é o suprassumo da modernidade, mas ainda agrada pelas linhas simpáticas, principalmente de lateral e traseira. A frente mudou recentemente num facelift. Por outro lado está junto da concorrência no conteúdo de série: nessa versão intermediária XS avaliada, de pouco menos de R$108 mil, são de série os 7 airbags (nenhum outro sedan compacto oferece tantas bolsas), alerta de colisão e de saída de faixa, isso sem falar no painel de instrumentos completo, até com calculadora de gasto com combustível. Função fácil de operar, e agrada taxistas e motoristas de app.

Aliás, transporte de passageiros é uma função que o Yaris Sedan cumpre muito bem, por isso tem tantos deles “trabalhando” por aí. É prático, bem espaçoso para pernas, ombros e cabeça de quem vai atrás, tem saídas USB traseiras, piso plano, portas grandes e, principalmente, bastante conforto graças as suspensões macias e pneus altos, que não envolvem rodas maiores que aro 15. Há ainda o porta-malas com 473 litros, espaçoso, mas longe de ser o maior da categoria.

E para quem pretende ficar atrás do volante o dia todo, bancos não muito diferentes daqueles que vinham no Corolla de geração anterior (grandes e anatômicos), além da posição de guiar agradável e tudo fácil de mexer. Tirando a multimídia, claro: ela ainda é um ponto a ser melhorado, tem sistema lento e complicado, lembrando aqueles antigos DVD Player retráteis. Falando de uma maneira geral, faltou só uma mecânica mais silenciosa, ou melhor, um cuidado maior com isolamento acústico. Não há manta interna do capô, por exemplo. E, aqui, só há ajuste de altura da direção, sem regulador de profundidade.

Bancos são bem ergonômicos e o carro não cansa ao volante (Foto: Lucca Mendonça)

O peso grande da direção bota em xeque a assistência elétrica, que costuma ser bem leve, mas acaba agradando depois de um tempo pela precisão. Talvez seja o ponto mais “esportivo” do Yaris, junto com o modo Sport de condução e trocas manuais da transmissão, feitas na alavanca ou paddle-shifts atrás do volante. Dribla bem as limitações mecânicas do seu pequeno motor 1.5 de aspiração natural.

Esse 1.5 é o mesmo do finado Etios, ou seja, um motor bem robusto e, principalmente, econômico. São contidos 105/110 cv de potência com cerca de 15 mkgf de torque máximo, mas o carro é leve, então falta de força não é problema: ele se vira bem quando exigido, principalmente ao redor dos 4 mil rpm, onde está seu pico de torque. Há a companhia de um câmbio automático CVT que simula 7 marchas e prioriza a suavidade e funcionamento progressivo. Como curiosidade, vale falar: é a mesma caixa dos Fiat CVT (Strada, Argo, Cronos, Pulse e Fastback).

Consumo? Baixo. Com etanol, em que pese o tanque de apenas 45 litros, ele consegue ter alcance generoso pela eficiência energética. Nas marcas dos nossos testes, beirou os 10 km/l na cidade e 13,5 km/l na estrada. Nos mais de 700 km percorridos entre cidade e estrada, a menor média atingida pelo computador de bordo foi de 7,0 km/l de etanol, isso com o trânsito paulistano fazendo efeito. Como em todo bom carro aspirado com câmbio CVT, saber dosar o pé no acelerador é importante. Manter ligado o modo ECO também.

Vale a pena?

O Toyota Yaris Sedan é a pedida interessante pra quem busca espaço interno, robustez, economia e segurança. O três volumes da Toyota, feito em Sorocaba (SP), tem concorrência feroz e que não deixa barato. A Chevrolet, por exemplo, vende o Onix Plus LTZ turbo automático pelo mesmo preço dessa XS avaliada. Mas, apesar de ser mais racional do que emocional, o Yaris ainda desponta como um dos sedans automáticos mais baratos do Brasil.

Seguro, bem equipado, com motorização condizente e preço na média…não tem motivos para ser considerado uma compra ruim (Foto: Lucca Mendonça)

Sobre essa XS avaliada, a intermediária, certamente é uma opção mais do que bem-vinda pelo bom conteúdo e preço na média. Entre razões e emoções, a saída é valer a pena. E o Yaris Sedan vale.

Ficha técnica:

Concepção de motor: 1.496 cm³, flex, quatro cilindros, 16 válvulas (quatro por cilindro), aspiração natural, injeção indireta de combustível, duplo comando de válvulas, variador de fase na admissão e escape, bloco e cabeçote em alumínio

Transmissão: automática tipo CVT com simulação de 7 marchas e opção de trocas manuais pela alavanca ou paddle-shifts

Potência: 105/110 cv a 5.600 rpm (gasolina/etanol)

Torque: 14,3/14,9 mkgf a 4.000 rpm (gasolina/etanol)

Suspensão dianteira: independente, McPherson com barra estabilizadora

Suspensão traseira: eixo de torção com molas helicoidais

Direção: com assistência elétrica progressiva

Freios: discos ventilados na dianteira e tambores na traseira

Pneus e rodas: Dunlop Enasave EC300+ medidas 185/60 com rodas de liga-leve aro 15

Dimensões (comprimento/largura/altura/entre-eixos): 4,42 m/1,73/1,49 m/2,55 m

Porta-malas: 473 litros

Tanque de combustível: 45 litros

Peso em ordem de marcha: 1.130 kg

Aceleração 0 a 100 km/h: 12 segundos (aproximadamente)

Velocidade máxima: 185 km/h (aproximadamente)

Preço básico: R$107.890 (carro avaliado: R$109.520)

Itens de série:

7 airbags, controles eletrônicos de estabilidade e de tração, luzes de rodagem diurna (DRL), assistente de subida, TSS⁵ (Toyota Safety Sense) com sistema de pré-colisão e alerta de evasão de faixa, rodas de liga leve 15″, aerofólio traseiro, faróis halógenos com projetor, acabamento interno do volante multifuncional e das portas em couro, acabamento dos bancos em couro ecológico e tecido, Ar-condicionado digital automático, Direção elétrica, Piloto automático, Vidros, travas e retrovisores elétricos, Chave presencial, Partida do motor por botão, Trocas de marchas manualmente no volante e alavanca, Central multimídia 7″ com 4 alto-falantes e 2 tweeters, conexão com Android Auto e Apple CarPlay, Painel de instrumentos com tela digital TFT 4,2”

 

Compartilhar:
Com 21 anos, está envolvido com o meio automotivo desde que se conhece por gente através do pai, Douglas Mendonça. Trabalha oficialmente com carros desde os 17 anos, tendo começado em 2019, mas bem antes disso já ajudava o pai com matérias e outros trabalhos envolvendo carros, veículos, motores, mecânica e por aí vai. No Carros&Garagem produz as avaliações, notícias, coberturas de lançamentos, novidades, segredos e outros, além de produzir fotos, manter a estética, cuidar da diagramação e ilustração de todo o conteúdo do site.