(Avaliação) Ford Maverick Lariat tem pegada diferenciada e até surpreende, mas com um problema…

Na primeira impressão, a Nova Ford Maverick pode ser idealizada como um Bronco com caçamba. Como os dois tem muita coisa em comum na construção, equipamentos e motorização, além do visual quadradão e parrudo que lhes é peculiar, associar o SUV a picape é inevitável. Isso até dar uma voltinha nos dois carros: aí fica claro que cada um tem sua própria personalidade e, na realidade, são bem diferentes.

Na realidade, ela e Bronco tem menos semelhanças que o esperado (Foto: Lucca Mendonça)

A Maverick, que infelizmente é oferecido em versão única Lariat FX4 por aqui (lá fora existe um powertrain híbrido muitíssimo interessante), surpreende no primeiro contato pela pegada diferente de Fiat Toro, sua principal concorrente, ou das grandalhonas como sua irmã Ranger. Na realidade ela vive em uma categoria só dela, com características próprias, afinal é a única picape monobloco com cabine dupla que deriva de um SUV médio.

Pela construção, ela se comporta como um carro de passeio na estabilidade, conforto, silêncio e por aí vai. O segredo não está na plataforma modular C2, nem na capacidade off-road, mas sim na regulagem de molas e amortecedores, claramente focada em não fazer os passageiros chacoalharem como acontece nas picapes, ou na direção elétrica bem calibrada. Tirando a sensação de estar guiando um carro bem maior do que ela é (proposital, claro), ela é um belo SUV com caçamba. Mas não um Bronco.

Ela é um belo SUV com caçamba, mas não um Bronco com caçamba (Foto: Lucca Mendonça)

Por que não? Simples: o SUV é literalmente mais bronco, enquanto ela tem um bom lado urbano, com direito a habitabilidade melhor. O Bronco tem características de jipe, como teto alto, parabrisas próximo ao motorista e colunas bem verticais. Nada parecido com a Maverick, que carrega muito de um carro de passeio baixo. Os mais atentos vão perceber peças em comum nos dois pra todo lado, afinal são parentes próximos, mas bem diferentes no uso. Bem interessante.

Motorização nota 10

Motor 2.0 turbo EcoBoost: nota 10. Detalhe que na Maverick ele não traz tampa plástica, como acontece no Bronco (Foto: Lucca Mendonça)

Quase toda a mecânica da Maverick vem do Bronco. Começando pelo motor 2.0 turbo, que bebe só gasolina e entrega 253 cv de potência com 38,7 mkgf de torque: ele é bem moderno, eficiente e até econômico no uso rodoviário, onde conseguiu bater 15,5 km/l sem muito esforço. Na cidade foi difícil passar dos 9,0 km/l, mesmo aproveitando a ótima relação do câmbio automático de oito velocidades com trocas suaves e rápidas. Ainda assim, pelo peso alto, bons números.

Nem parece, mas a picape da Ford esconde um lado bem esportivo (Foto: Lucca Mendonça)

Com esses números de potência e torque, despejado em sua maioria antes dos 2.000 rpm, nem é preciso falar muito do bom desempenho e agilidade digna de hatch premium. A Maverick, se precisar, pode andar como gente grande: 0 a 100 km/h em só 7,2 segundos, tempo menor que o de uma VW Amarok V6, e consegue uma retomada de 80 a 120 km/h em menos de 6 segundos. Normalmente não se usa nem ¼ do curso do pedal do acelerador no dia a dia, ou seja, sobra muita força do conjunto.

Outros “lados bons”, como suspensões independentes nas quatro rodas, eixo traseiro multilink, barra estabilizadora nos dois eixos, freios a disco nas quatro rodas e centro de gravidade não muito alto (ela é baixa e larga), também ajudam a dar conta do recado de “domar” todo esse pique. E doma muito bem, diga-se de passagem.

Freios aqui são a disco nas quatro rodas e são duas barras estabilizadoras, uma por eixo (Foto: Lucca Mendonça)

Ainda uma picape útil (e até off-road)

Mesmo boa de guiar, espaçosa para os cinco ocupantes, silenciosa e confortável até nos pisos complicados, a Maverick ainda é uma picape. Difícil lembrar, mas a caçamba ainda está lá: apesar de não ser das mais altas, ela tem 943 litros e até alguns compartimentos pra guardar “tralhas” menores nas laterais (assim como um enorme baú sob o banco traseiro). Falando nisso, outra coisa que sobra na cabine são os vãos, espaços, porta-trecos e por aí vai. Bem prático.

Parece SUV, mas ainda tem uma bela caçamba (Foto: Lucca Mendonça)

Aventureira? Nem tanto quanto o Bronco (olha ele aí mais uma vez), mas ainda bem capaz no fora de estrada graças aos pneus de uso misto (All Terrain), tração integral com seletor de tipos de terreno e eletrônicas como assistente inteligente de descida. Altura do solo ou ângulos de ataque/saída não são os fortes dela, mas nada que desaponte.

Bons equipamentos e o “problema”

Essa versão única Lariat FX4, que vem do México, tem um pacote especial de equipamentos para o mercado brasileiro. Uma ótima oferta de itens de série (confira mais abaixo), mas é imperdoável a falta de coisas básicas como quaisquer sensores de estacionamento, teto-solar, capota marítima da caçamba ou retrovisor interno fotocrômico, por exemplo.

A Maverick, em si, não tem nenhum problema e até surpreende positivamente (Foto: Lucca Mendonça)

E o preço inicial da Maverick é de R$233 mil, o mesmo que custa uma picape a diesel. Aí está o tal problema. Comparando-a rapidamente com sua rival da Fiat, ela é sim maior, ganha no espaço interno e tem pegada superior. Mas a Fiat Toro mais cara, a Ultra 2.0 turbodiesel, custa R$20 mil a menos, carrega 1 tonelada de carga e ainda traz bons itens que a picape da Ford não dispõe, como mais assistentes de condução, por exemplo.

Mas nada disso é culpa da Maverick, que inclusive é um belíssimo carro e até surpreende positivamente em alguns aspectos. Se custasse esses R$33 mil a menos, ou tivesse versões alternativas com menor preço básico, seria uma compra ainda mais interessante…

Ficha técnica:

Concepção de motor: 1.999 cm³, gasolina, quatro cilindros, 16 válvulas (quatro por cilindro), turbo, injeção direta, duplo comando de válvulas, variador de fase na admissão e escape, bloco e cabeçote fundidos em alumínio
Transmissão: automática com conversor de torque e 8 velocidades
Potência: 253 cv a 5.500 rpm
Torque: 38,7 mkgf a 3.000 rpm
Suspensão dianteira: independente, do tipo McPherson, com barra estabilizadora
Suspensão traseira: independente, do tipo multibraço, com barra estabilizadora
Direção: com assistência elétrica progressiva
Freios: discos ventilados na dianteira e discos sólidos na traseira
Pneus e rodas: Pirelli Scorpion ATR, medidas 225/65. Rodas de liga-leve aro 17
Dimensões (comprimento/largura/altura/entre-eixos): 5,07 m/1,84 m/1,73 m/3,07 m
Caçamba: 943 litros
Capacidade de carga: 617 kg
Tanque de combustível: 67 litros
Peso em ordem de marcha: 1.744 kg
Aceleração 0 a 100 km/h: 7,2 segundos
Velocidade máxima: 175 km/h (limitada eletronicamente)
Preço básico: R$233.310 (carro avaliado)

Itens de série:

Tração AWD Inteligente, 5 modos de condução selecionáveis, Freio de mão eletrônico com função Auto Hold, Ar-condicionado automático digital de duas zonas, Bancos em couro sintético, Banco do motorista com regulagens elétricas, Painel de instrumentos com tela digital de 7”, Conjunto óptico full LED, Comutação automática do farol alto, Sensor de chuva, Acendimento automático dos faróis, Janela traseira corrediça com abertura/fechamento elétricos, Partida remota do motor, Volante ajustável em altura e profundidade, Controle eletrônico de descida (Hill Descent Control), Iluminação ambiente em LED, Sistema Start&Stop, Roda de liga leve aro 17, 7 airbags, Multimídia SYNC® de 8” compatível com Android Auto e Apple CarPlay, Conectividade via app FordPass™, Alerta de colisão com Assistente Autônomo de Frenagem e Detecção de Pedestres, Carregador de celular wireless, Chave presencial com partida do motor por botão

Compartilhar:
Tem 20 anos, cursa Publicidade e Propaganda, é filho do jornalista Douglas Mendonça, e desde que se conhece por gente, convive com carros e está envolvido no mundo automobilístico. Aprendeu a ler nas revistas automotivas, cresceu frequentando oficinas, corridas, encontros e eventos com o pai, e daí veio sua maior paixão: os carros. Lucca se tornou o braço direito do pai após sua perda de visão em 2012, ajudando na produção de matérias, reportagens, avaliações e textos. No Carros & Garagem, é responsável pela cobertura de eventos de lançamento de novos veículos, e produz avaliações, fotos e comparativos de modelos.