(Avaliação) Audi Q5 híbrido plug-in une o útil, o agradável e o ecológico

O Q5 é um carro histórico. Não por ser o campeão em corridas mundo afora, nem por inovar com tecnologias de deixar qualquer entusiasta boquiaberto, mas sim por trazer a Audi para o mundo de SUVs médios premium, onde já reinava o Volvo XC60 e a BMW X3. Fora isso, ele foi o segundo utilitário da marca alemã, e agora em 2023 completa seus 15 anos de lançamento (o tempo passa, hein Q5?). Por essas e outras é um carro marcante e tradicional, quase como a síntese do que imaginamos ser um SUV.

Preços, rivais, tecnologias…

Em linha desde 2016, essa geração atual não é nada inédita, mas não fica para trás quando o assunto é tecnologia. Prova disso é a moderna versão PHEV (híbrida plug-in) das fotos, vendida hoje por mais de R$452 mil, mas que passa de R$500 mil se adicionados os opcionais. O carro das fotos, topo de linha Performance Black com alguns extras, sai por R$498 mil, e rivaliza com BMW X3 M Sport (R$470 mil) e Volvo XC60 Ultimate (R$450 mil), os dois também híbridos plug-in.

Reforço eletrizante

O bom e velho EA-888 2.0 TFSI (turbo com injeção direta estratificada) ganhou o importante reforço de um motor elétrico acoplado ao câmbio automatizado de dupla embreagem com sete marchas, fora 18 kWh de baterias para armazenar carga, que vão instaladas no assoalho do porta-malas para fazer contrapeso com o trem de força totalmente dianteiro. Essas baterias, aliás, podem receber força de tomadas residenciais 220V. É o primeiro do tipo oferecido pela Audi por aqui, e tem sempre tração integral Quattro: o carro é muito estável.

Os números chamam a atenção, e interessam desde os mais econômicos até os que curtem acelerar: são 252 cv de potência e quase 38 mkgf de torque vindos só do 2.0 turbo, que podem se somar a outros 143 cv e 35 mkgf produzidos pelo motor elétrico. Juntando os dois, coisa que só é possível no modo de condução mais esportivo (Dynamic) ou numa aceleração de “pé no porão”, estamos falando de nada menos que 367 cv de potência e uma força que passa dos 51 mkgf! Antes de falar desse poderio todo, o Q5 tem mais virtudes.

Quase 370 cv de potência: o Q5 esconde um belo lado esportivo (Foto: Lucca Mendonça)

Síntese de um SUV

O Q5 oferece algumas características típicas de um utilitário tradicional, distante desses modelos moderninhos que tentam revolucionar no segmento. Já para entrar no carro fica claro: carroceria erguida e portas grandes, que oferecem bom vão de abertura. Lá dentro, todos vão sentados, com muito conforto, em bancos altos e anatômicos. O motorista vai em posição tão elevada que pode estranhar a posição o volante baixo, mas é questão de costume. Aliás, cabem cinco com folga dentro dele, e só quem vai no meio do banco traseiro se incomoda com o grande túnel central e ressaltos do assento/encosto.

Sua cabine garante bem-estar pela área envidraçada generosa e espaço de sobra para as pernas, cabeça e ombros dos ocupantes, principalmente os dianteiros. O mesmo vale para o porta-malas, aqui com 520 litros de capacidade e acesso plano das bagagens. E, de quebra, ainda dá para correr a segunda fileira sobre trilhos, priorizando o espaço traseiro ou o tamanho do espaço para as malas. É ideal pra ajeitar toda a galera e suas tralhas em uma viagem, por exemplo. Bem pensado.

E, falando em banco traseiro, é ali que está a cartada de modularidade do interior do Q5: o assento corre, separado em 1/3 2/3 sobre trilhos (dá para ajustar os dois separadamente), enquanto os três encostos contam com regulagem de inclinação individual e, se precisar, os três podem rebater também separadamente. Agora, se o negócio for levar gente mesmo, o controle individual de temperatura traseira, saídas de ar e duas portas USB para carga salvam nas viagens longas. Nem preciso falar dos lugares dianteiros: bancos elétricos (que falham só em não tem aquecimento nem ventilação), comandos fáceis, iluminação individual e LEDs ambientes…

O que remete a qualquer conceito de SUV é o nível de conforto, e, com esse objetivo, a Audi decidiu usar nos PHEV um jogo de pneus mais alto, borrachudo e macio, que trabalha com maestria junto das suspensões independentes com acerto suave e muita capacidade de absorção. Mesmo com pressão extra nos pneus e carro carregado, o Q5 agradou em cheio pela maciez e suavidade mesmos nos piores pisos. Fora o silêncio, especialmente quando roda no modo elétrico. Bingo!

Cá entre nós, essas soluções de cabine, espaço interno generoso, bom porta-malas e praticidades típicas são as maiores pedidas pra um SUV familiar como ele. E nem entrei no mérito da segurança (pacote completo de assistentes, airbags pra todo lado e mais), mimos a bordo (teto-solar panorâmico ou porta-malas de tampa elétrica presencial) e até algumas praticidades extras, que podem vir como opcionais (head-up display pra não tirar os olhos da estrada e estribo lateral pra ajudar no entra e sai, por exemplo). É uma união do útil com o agradável.

A tal da eficiência

Esse PHEV é o Q5 mais eficiente e econômico que já tivemos no Brasil. Seu sistema não foge a regra de nenhum híbrido plug-in: o motor a combustão pode trabalhar sozinho movendo o carro e/ou gerando energia para as baterias (tarefas fáceis para o EA-888, bom de força desde as baixas rotações e suavíssimo no funcionamento), enquanto o elétrico geralmente trabalha com o 2.0 turbo, mas consegue tranquilamente ser o propulsor principal do SUV, inclusive viajando (ele também é muito torcudo e imediato, mas a combustão entra sozinha acima de 130 km/h).

Seu sistema não foge a regra dos demais híbridos plug-in, só que com o acerto primoroso da engenharia alemã (Foto: Lucca Mendonça)

O INMETRO, mais pessimista, fala em 30 km de alcance elétrico, mas dá até para beirar os 60 se a condução for econômica (o modo Efficiency ajuda). E nesses casos, a Audi foi esperta colocando um segundo computador de bordo com os dados do motor elétrico: alcance, consumo instantâneo, consumo médio e afins. Nas melhores condições, o Q5 PHEV rodou 4,8 km/kWh na cidade e cerca de 3,0 km/kWh na estrada. Já misturando o motor elétrico com a combustão, foi fácil passar dos 23 km/l e 18 km/l, respectivamente. Só não dá para esperar muita economia do 2.0 turbo trabalhando sozinho, porque o EA-888 costuma gostar bastante de gasolina.

Por sorte o gerenciamento eletrônico do carro nunca deixa as baterias se esgotarem, ou sempre fornece alguma carga para elas: assim o Audi consegue rodar quase sempre híbrido. Mas, tendo entrada simples tipo 2, trazendo carregador portátil e aceitando recarga de mais de 7 kW de potência, o ideal, e mais interessante para o bolso de quem dirige, é manter as baterias sempre recarregadas.

Numa rotina urbana de ida ao trabalho, supermercado, academia e afins, sem rodar muito, dá para usar o Q5 como elétrico puro. Se precisar, o tanque de 54 litros de gasolina pode ser enchido, permitindo viagens maiores. Pode falar o que for: o PHEV ganha de lavada dos demais Q5 “comuns” (que continuam a venda normalmente, aliás) no quesito de ser amiguinho do meio-ambiente e poluir menos o ar.

A bordo

Já deu pra notar que o Q5 é agradável no uso, com conforto, silêncio e espaço dignos de um SUV desse porte e preço, e que já traz itens interessantes de série ou, senão, opcionais. Mas o projeto mais antigo, com cerca de oito anos, já é sentido no design interno (classudo e ótimo de acabamento, mas um tanto datado), ou então no tamanho da multimídia com relação ao carro, por exemplo. Para quem não faz questão de telonas e interiores futuristas, está perfeito. O design externo segue a linhagem da marca, também sem revoluções e com cara típica de “carro familiar”, ainda mais nesse azul marinho metálico que a Audi já oferece há um bom tempo.

Como todo bom carro alemão, não abre espaço para críticas nos ajustes mecânicos de suspensões (ainda mais com as quatro rodas independentes e multibraço atrás), direção (elétrica com peso mediano e precisão de sobra) ou freios (disco nas quatro que param o carro com competência). Sem surpresa alguma para quem, assim como eu, já teve contato com outros carros da marca. A tração integral garante a estabilidade do carro nas situações mais críticas, mesmo com suspensões macias e alto centro de gravidade. Lembrando sempre que ele é um SUV familiar, e não um esportivo.

Falo isso porque, vez ou outra, parece que o Q5 é um carro endiabrado com trejeitos de utilitário pra viajar com as crianças. Quem vê nem imagina o quanto ele anda, o quão rápido retoma velocidade e muito menos que demora só um pouquinho mais de 5,0 segundos pra acelerar de 0 a 100 km/h. Bastou a menor pressão no acelerador para o câmbio S-Tronic (um show a parte na agilidade e operação suave) baixar uma ou duas marchas e o carro acelerar igual V8. Sem ronco do tal, claro. Um belíssimo trem-de-força, digno da chancela da engenharia alemã. Só que o carro é mexicano, feito em Puebla.

Sua produção mexicana não tira os méritos da tecnologia e engenharia alemãs (Foto: Lucca Mendonça)

Ou seja…

Esse Q5 híbrido é um belo carro, o que não surpreende ninguém. Só não consegue custar menos por conta de políticas e estratégias de mercado da própria marca (os opcionais, por exemplo, são muitos e caros). O primeiro híbrido plug-in da Audi no Brasil veio com tudo, e para a concorrência não deve nada.

« de 2 »

Ficha técnica:

Concepção de motor: 1.984 cm³, gasolina, quatro cilindros, 16 válvulas (quatro por cilindro), turbo, injeção direta, duplo comando de válvulas, variador de fase na admissão e escape, bloco em ferro fundido e cabeçote em alumínio + motor elétrico acoplado a transmissão e conjunto motor de arranque/alternador. Baterias de íon-lítio com 17,9 kWh de capacidade.
Carregamento: entrada tipo 2, carga via eletropostos, wallbox ou tomadas residenciais, duração média de 3 horas. Regeneração de energia durante condução.
Transmissão: automatizada de dupla embreagem com 7 velocidades e trocas manuais na alavanca ou paddle-shifts atrás do volante
Potência: 367 cv (combinada combustão + eletricidade)
Torque: 51 mkgf (combinado combustão + eletricidade)
Suspensão dianteira: independente, do tipo multilink, com barra estabilizadora
Suspensão traseira: independente, do tipo multilink, com barra estabilizadora
Direção: com assistência elétrica progressiva
Freios: discos ventilados nas quatro rodas
Pneus e rodas: Continental ContiSport Contact 5, medidas 235/55 e rodas de liga-leve aro 19
Dimensões (comprimento/largura/altura/entre-eixos): 4,68 m/1,89 m/1,66 m/2,82 m
Porta-malas: 520 litros
Tanque de combustível: 54 litros
Peso em ordem de marcha: 2.075 kg
Aceleração 0 a 100 km/h: 5,3 segundos
Velocidade máxima: 240 km/h
Preço básico: R$477.990 (Carro avaliado: R$497.690)

Itens de série:

Indicação de controle da pressão dos pneus (TPMS), Rodas de liga-leve aro 19, Faróis Matrix LED com luz encenadora dinâmica e luz indicadora de direção dinâmica, DRL – Luzes diurnas em LED, Faróis Matrix LED com luz encenadora dinâmica e luz indicadora de direção dinâmica, Sistema de lavadores automáticos de faróis, Teto solar Panorâmico, Vidros isolantes térmicos, Bancos esportivos em couro preto, Volante esportivo em couro, multifuncional com shift-paddles, Apoio lombar de 4 vias para os bancos dianteiros com regulagens elétricas, Bancos dianteiros com ajuste elétrico e função memória para o banco do motorista, Soleiras das portas dianteiras em alumínio, com inscrição S e iluminadas, Pacote de luzes ambientes customizáveis com 30 opções de cores, Audi Compact charger (7,4kW) + Suporte de parede, Conector industrial CEE 32 A, 230 V, comprido e reto, para o sistema de carregamento e-tron, Espelhos retrovisores externos com ajuste elétrico, rebatíveis, aquecíveis, anti ofuscante e com função memória, Espelho retrovisor interno borderless com função antiofuscante automático, Ar condicionado automático de 3 zonas com função de climatização estacionária, Sistema de alarme antifurto, Porta-malas com abertura/fechamento elétrico e sistema hands-free, Chave presencial + partida do motor por botão, 2 portas USB para carregamento de dispositivos para os passageiros do banco traseiro + tomada 12V traseira, Audi virtual cockpit, Multimídia MMI Navegação Plus com tela de 8″ e GPS integrado, Conexões Android Auto/Apple CarPlay, Audi Premium sound system, Audi Phone Box light – carregador de celular por indução, Audi Side Assist (Assistente de mudança de faixa, Assistente de desembarque, Alerta de tráfego cruzado traseiro, Alerta de colisão traseira), Sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, Alerta de colisão frontal com frenagem autônoma de emergência, Freio de estacionamento eletromecânico com função Auto Hold, ACC – Controle de cruzeiro adaptativo, Câmera 360°, Alerta de saída de faixa ativo, Audi drive select, Sistema de tração quattro®, 07 Airbags, Sistema Start-Stop com regeneração de energia.

Compartilhar:
Com 21 anos, está envolvido com o meio automotivo desde que se conhece por gente através do pai, Douglas Mendonça. Trabalha oficialmente com carros desde os 17 anos, tendo começado em 2019, mas bem antes disso já ajudava o pai com matérias e outros trabalhos envolvendo carros, veículos, motores, mecânica e por aí vai. No Carros&Garagem produz as avaliações, notícias, coberturas de lançamentos, novidades, segredos e outros, além de produzir fotos, manter a estética, cuidar da diagramação e ilustração de todo o conteúdo do site.