(Avaliação) Os prós e contras do JAC T60 Plus, o SUV quase futurista

Quem te viu quem te vê, hein JAC T60? Esse SUV médio deu as caras no Brasil em 2019 e sempre teve seu ponto forte no visual. Só que antes ele tinha um “quê” de Ford, Kia e até de Nissan, mas nem por isso perdia seu charme. Agora reestilizado e com sobrenome Plus, ele virou um carro pra lá de arrojado, quase futurista. E o melhor é que todas as suas inspirações foram deixadas de lado pra ganhar essa aparência própria e bem exclusiva, diga-se de passagem.

Ousado e bem exclusivo, é difícil ver alguém que não olhe curioso para o T60 Plus. A cor Azul Atlantic, bem bonita, completa o pacote (Foto: Lucca Mendonça)

Chamando a atenção por onde passa (ainda mais nesse tom de azul metálico), ele tem uma missão clara: ser um SUV médio completão custando o mesmo que um compacto. Hoje seu preço parte dos R$134.490 mas pode chegar a R$138.490 se o pacote opcional Pack 3 for adicionado, como é o caso do carro das fotos. É mais barato, por exemplo, que os pequenos Captur Iconic 1.3 turbo ou T-Cross Highline 1.4 TSI, mas no tamanho ele briga de igual para igual com os médios Jeep Compass e Toyota Corolla Cross. Missão dada é missão cumprida.

Por esses menos de R$140 mil, quem compra o T60 Plus já leva pra casa um carro com ar-condicionado digital automático, painel de instrumentos digital, multimídia à la Audi com 10,25” e conexão sem fio, sensores de chuva e crepuscular, teto-solar, freio de mão eletrônico com função Auto Hold, freios a disco nas quatro rodas, 6 airbags (dois frontais, dois laterais e dois de cortina), além da sopa de letrinhas de segurança (ESP, TCS, BAS, BOS, HSA e TPMS). Esqueça qualquer tipo de assistência à condução ou tecnologias de ponta: isso deixaria o modelo caro demais.

Como todo bom carro chinês a lista de itens de série é grande (Foto: Lucca Mendonça)

Combinando com toda a modernidade das linhas da carroceria, esse JAC repete a dose no motor moderno de 1.5 litro, 16 válvulas, turbo e com duplo comando variável de 168 cv e 21,4 mkgf de torque, que só bebe gasolina. O pecado do T60 é usar a mesma transmissão automática CVT de outros modelos mais baratos da marca, que simula 6 marchas e não tem conversor de torque para as baixas rotações. Pelos números de ficha técnica ele anima, mas na prática nem tanto.

Em que pese a suavidade invejável no funcionamento e cooperação com o baixo consumo de combustível, esse câmbio, fornecido pela Punch Powertrain, “mata” boa parte da diversão de guiar do T60: ele demora pra reagir nas acelerações e falta agilidade na hora das “trocas”.

Motor 1.5 turbo é moderno e potente, mas o câmbio CVT atrapalha bastante (Foto: Lucca Mendonça)

Outra coisa que incomoda é que esse CVT patina bem mais do que o normal nas arrancadas, algo incomum nos dias de hoje. O resultado deveria ser bem mais animador pra um carro com 8 kg/cv de relação peso X potência, todo o torque disponível aos 2.000 rpm e 0 a 100 km/h em 9,5 segundos oficiais. Nada que um toque a mais de engenharia não resolva, porque potencial esse conjunto tem.

Esse toque de engenharia também vale para as suspensões. Mesmo com um bom meio-termo entre conforto e estabilidade, o conjunto dianteiro não conversa bem com o traseiro principalmente nos pisos mais irregulares. Quem não está acostumado pode estranhar o comportamento do carro ao passar por lombadas ou valetas, por exemplo. As curvas mais rápidas também podem dar alguns sustos nos motoristas digamos…presunçosos, e, como sempre acontece nos carros da marca, a direção elétrica continua leve demais mesmo nas velocidades altas.

Apesar do curso maior dos amortecedores, o que diminui as pancadas secas, a suspensão ainda requer boas melhorias (Foto: Lucca Mendonça)

A boa notícia é que um velho problema, ao que tudo indica, foi resolvido nessa reestilização: as pancadas secas, causadas pelo fim de curso dos amortecedores, estão menos frequentes. Isso também faz com que o T60 Plus rode mais silencioso que o antigo T60, provando que ele evoluiu nesse ponto também. Pouco, mas evoluiu. Acertar um carro com maestria para o nosso solo lunar não é fácil, ainda mais com uma infraestrutura mais limitada como a da JAC brasileira.

Ao volante ele agrada pela boa visibilidade, posição de dirigir ideal e habitabilidade digna de SUV médio, com direito a bancos grandes e acabamento interno caprichado. O mesmo não pode ser dito do quesito funcionalidade do T60, principalmente pelo painel de instrumentos digital muito pequeno e difícil de mexer, fora os curiosos botões touch do ar-condicionado que “somem” quando os faróis estão acesos. Aliás, a estética fala mais alto em quase tudo nesse JAC: É um carro bonito, mas complicado de mexer.

Ao volante ele é um SUV médio legítimo, seja no espaço, posição de dirigir ou habitabilidade elogiável (Foto: Lucca Mendonça)

De qualquer forma, ele ainda briga no mercado de SUVs médios com outras armas, como por exemplo o espaço interno generoso, conforto de sobra e, segundo a JAC, um imbatível porta-malas de 650 litros (aparenta bem menos que isso). São 4,41 m de comprimento, 1,80 m de largura e 2,62 m de entre-eixos, ou seja, é um dos menores do segmento, bem próximo do Jeep Compass.

Mas isso não quer dizer nada, já que até cinco adultos viajam com relativa tranquilidade no seu interior. As quatro portas são grandes e tem bom ângulo de abertura que facilitam o entra e sai, e agora existem saídas de ar-condicionado para o banco traseiro (antes da reestilização eram só as do painel). Só precisa de mais cuidado no isolamento acústico, que não é dos melhores.

Atrás vão bem três adultos, e agora existem saídas de ar-condicionado pra quem vai ali (Foto: Lucca Mendonça)

O T60 Plus é o melhor custo X benefício dentro da categoria dos utilitários médios? Provavelmente. É impossível encontrar outro negócio mais interessante por esse preço. Mas outro impasse dele são os SUVs compactos turbo como VW T-Cross, Chevrolet Tracker, Citroën C4 Cactus THP, Peugeot 2008 THP e por aí vai. Esses rivais por tabela, mesmo sendo menores, podem ter ainda mais equipamentos de série e um desempenho melhor. Alguns ainda são mais baratos e pesam menos no bolso do consumidor, que não necessariamente precisa de algo do tamanho do T60.

Mas esse JAC merece sim um lugarzinho na lista de compras interessantes no mundo dos SUVs, ainda mais depois dessas últimas mudanças. Se você gostou de toda essa ousadia de design já é meio caminho andado…

O T60 Plus merece destaque na lista de SUVs interessantes. O estilo diferentão pode dividir opiniões (Foto: Lucca Mendonça)

Ficha técnica:

Concepção de motor: 1.499 cm³, gasolina, quatro cilindros, 16 válvulas (quatro por cilindro), turbo, injeção indireta de combustível, duplo comando de válvulas, variador de fase na admissão e escape, bloco e cabeçote em alumínio
Transmissão: automática do tipo continuamente variável (CVT) com 6 velocidades simuladas
Potência: 168 cv a 5.500 rpm
Torque: 21,4 mkgf entre 2.000 e 4.500 rpm
Suspensão dianteira: Independente, McPherson, com barra estabilizadora
Suspensão traseira: Eixo de torção com molas helicoidais
Direção: Do tipo pinhão e cremalheira, com assistência elétrica progressiva
Freios: Discos ventilados na dianteira, discos sólidos na traseira
Pneus e rodas: Giti Comfort AdvanzTech, medidas 215/50. Rodas de liga-leve aro 17
Dimensões (comprimento/largura/altura/entre-eixos): 4,41 m/1,80 m/1,66 m/2,62 m
Porta-malas: 650 litros
Tanque de combustível: 50 litros
Peso em ordem de marcha: 1.365 kg
Aceleração 0 a 100 km/h: 9,5 segundos
Velocidade máxima: 195 km/h
Preço básico: R$134.490

Itens de série:

Teto solar elétrico, Bancos revestidos em couro Premium JAC Seat, Central de comandos Touch Screen (Multimídia e ar-condicionado), Ar-Condicionado Automático Digital com painel Touchscreen, Saída de Ar-Condicionado na fileira traseira, Volante multifuncional revestido em couro, 4 alto falantes e 2 tweeters, 2 Tomadas 12V no console dianteiro, Porta óculos (Motorista), Banco bi-partido 40/60 na segunda fileira, Apoio de braço na primeira fileira de bancos, com compartimento, Apoio de braço na segunda fileira de bancos com porta copos, Projetor com luz de Led Auxiliar nas Portas, Painel de LED 100% Digital Active Info Display – TFT, Central multimídia com tela de 10,25” em LCD, Mirror Link via Wi-Fi, Bluetooth, Sistema Keyless com entrada e partida sem chave, Chave com destravamento remoto das portas e do porta-malas, Direção elétrica progressiva, Cluster com iluminação automática em LED, Entrada USB 01 console central e 02 segunda fileira de bancos, Antena barbatana de tubarão, Android Auto, Apple CarPlay, Airbags laterais dianteiros, Airbags de cortina laterais, Função Auto Hold (Imobiliza o veículo ao parar), BAS – Brake Assist System, TCS – Traction Control System, ESP – Eletronic Stability Program, HSA – Hill System Assist, BOS – Brake Overide System, TPMS – Tire Pressure Monitoring System (com display), IMMO (imobilizador de motor), DLR – Luzes diurnas em LED, Freios ABS com EBD, Desembaçador do espelho retrovisor, Faróis com regulagem elétrica de altura, Faróis e lanternas de neblina, Luzes de conversão estática, Função “Follow me Home”, Travamento automático das portas à 15 km/h, Desbloqueio automático em acidente, Alarme antifurto, Aviso de cinto não acoplado (motorista e passageiro), Fechamento central das portas, Piloto Automático, Isofix, Freio de estacionamento elétrico, Rodas em liga leve diamantadas aro 17”, Roda sobressalente de tamanho original (aço)

Compartilhar:
Tem 20 anos, atualmente cursa Publicidade e Propaganda na Universidade Paulista, é filho do jornalista Douglas Mendonça, e desde que se conhece por gente, convive com carros e está envolvido no mundo automobilístico. Aprendeu a ler nas revistas automotivas, cresceu frequentando oficinas, corridas, encontros e eventos com o pai, e daí veio sua maior paixão: os carros. Um gearhead legítimo, Lucca se tornou o braço direito do pai após sua perda de visão em 2012, ajudando na produção de matérias, reportagens, avaliações e textos sobre carros. No Carros & Garagem, é responsável pela cobertura de eventos de lançamento de novos veículos, e produz avaliações, fotos e comparativos de modelos. Os carros estão até nos seus hobbies: Possui um acervo com centenas de manuais do proprietário de veículos diversos, além de colecionar revistas, folders, catálogos e por aí vai.