(Avaliação) Chevrolet Equinox 1.5 Turbo é bom, bonito e barato, pelo menos por enquanto…

O Equinox é um daqueles carros que nunca decolaram no Brasil mesmo tendo méritos de sobra. Seu lançamento em 2017 apelava para a “esportividade” (com direito até a campanhas publicitárias estreladas pelo piloto Felipe Massa), e para isso ele trazia um belo motor 2.0 turbo de nada menos que 272 cv, sempre acoplado a uma transmissão automática de 8 marchas e tração integral sob demanda (AWD).

Era potência pra dar e vender, e o conjunto fazia desse grandalhão da Chevrolet um carro bem mais apimentado do que seu visual sugeriria. O preço na época não era dos mais altos, e a lista de equipamentos tinha de tudo e mais um pouco. Espaço interno e porta-malas também faziam bonito, como pede um utilitário familiar.

Os méritos de um bom SUV médio não poderiam faltar no Equinox (Foto: Lucca Mendonça)

Mas não demorou muito tempo para os planos da GM brasileira mudarem, e o Equinox 2.0 turbo saiu de linha por aqui, já que suas vendas não andavam tão bem. Restou apenas o 1.5, também turbo, que havia chegado nas versões mais baratas, com “apenas” 172 cv e um torque máximo na casa dos 28 mkgf. O câmbio automático também era outro mais comum, com 6 velocidades.

No final, mesmo com as novas estratégias, as vendas do Equinox continuaram bem aquém do esperado, e com o passar do tempo ele acabou ficando de lado na linha da Chevrolet, sem novidades ou alterações. Injustiçado e, de certa forma, esquecido pelo mercado, o Equinox 1.5 turbo hoje é vendido em versão única, a topo de linha Premier, e é um exemplo prático da expressão “bom, bonito e barato”: Diversas qualidades, visual agradável e ainda moderno, e preço bem menor que o de seus rivais (R$193.790, contra os R$236 mil do VW Tiguan R-Line, R$264 mil do Ford Bronco Sport Wildtrack, e R$265 mil do Honda CR-V Touring, por exemplo). Difícil achar um negócio mais interessante que esse.

Como todo bom utilitário feito para o mercado Norte-Americano (apesar de fabricado no México), o Equinox preza pelo conforto e bem-estar dos passageiros. Pra isso ele conta com suspensões macias, bancos grandes e anatômicos, bastante silêncio a bordo, acabamento bem caprichado e tudo voltado para a comodidade dos ocupantes. O enorme vão entre os bancos dianteiros e traseiro (graças ao entre-eixos de 2,72 m), teto alto, e uma sensação de amplitude bacana pela grande área envidraçada são outras coisas que agradam bastante.

O espaço traseiro é uma das suas vantagens (Foto: Lucca Mendonça)

O único que destoa de todo esse latifúndio do interior é o porta-malas de tímidos 468 litros, bem abaixo da média do segmento. Em compensação a praticidade impera novamente, já que o compartimento tem abertura/fechamento elétricos com direito a sensor de presença (ele se abre automaticamente ao passar o pé por baixo do parachoque traseiro), e por dentro o piso é plano para acomodar objetos com mais facilidade.

O porta-malas, em contrapartida, é tímido para o porte do carro: 468 litros (Foto: Lucca Mendonça)

E ele tem tudo de SUV americano, menos o pequeno motor 1.5 turbo movido a gasolina: esse está mais pra europeu do que outra coisa. Ele faz do Equinox um carro bem econômico, pelo incrível que possa parecer. Em nossos testes alcançamos médias de consumo de até 16,2 km/l na estrada, enquanto no percurso urbano os números foram menos animadores, na casa dos 8,5 km/l, sempre com gasolina. A sede dele é bem menor que a do antigo 2.0 turbo, esse sim com espírito de motorzão americano.

O motivo dele ser mais gastão na cidade é simples, e pode ser respondido com o alto peso do carro, falta de um sistema Start&Stop e pouco torque nas baixas rotações (os 27,8 mkgf só aparecem aos 2.500 rpm e crescem até os 4.500 rpm, uma faixa de rotação alta para um motor turbo moderno). Esse torque pouco progressivo também é bem sentido no dia a dia, principalmente em subidas mais íngremes e ultrapassagens, onde se ouve o 1.5 gritar mais alto no esforço de puxar tudo aquilo. Com o carro carregado a situação fica ainda mais complicada.

Seu 1.5 turbo tem pouco torque nas baixas rotações, o que faz do Equinox um carro com desempenho mediano principalmente quando está carregado (Foto: Lucca Mendonça)

A melhor coisa a se fazer nesses casos é recorrer ao famoso “kickdown” (pressão brusca e imediata no acelerador para o câmbio reduzir marchas e o carro andar mais), já que ele não tem a opção de trocas de marcha manuais. Vale deixar claro que, mesmo no modo automático, o câmbio automático de 6 velocidades é bem espertinho e ágil, reduzindo quando necessário e subindo as marchas o quanto antes para poupar combustível. O problema nesse caso é mesmo o motor razoável para a proposta do carro.

No geral, no uso mais moderado, andando sem pressa, esse conjunto mecânico dá conta do recado e ainda entrega um funcionamento bastante suave, silencioso e até prático, graças a útil tração integral sob demanda: Apesar de ser chamado de AWD (All-Wheel Drive, ou Todas as Rodas Motrizes), a escolha entre tração dianteira e integral depende das necessidades de quem está dirigindo, e o sistema pode ser ativado por uma simples tecla no console. No dia a dia ele é 4×2, mas se for preciso podemos transformá-lo em 4×4, mais ou menos como nas picapes a diesel.

Sem pressa, ele brilha pelo funcionamento silencioso, suave e prático (Foto: Lucca Mendonça)

Na relação custo X benefício ele é imbatível

É praticamente impossível encontrar outro SUV médio que entregue tanto por menos de R$200 mil como esse Chevrolet. Além de um enorme pacote de assistentes de condução (alerta de colisão com frenagem autônoma de emergência, monitor de ponto cego, leitor de placas de sinalização, alerta de tráfego cruzado traseiro, alerta de saída de faixa, farol alto automático, Park Assist e por aí vai), ele conta com conjunto óptico em LED, banco do motorista com ajustes elétricos e duas memórias de posição, retrovisor interno fotocrômico, sensores de chuva e crepuscular, carregador de celular sem fio, chave presencial, partida remota do motor, teto-solar panorâmico, um ótimo sistema de som com 7 alto-falantes assinado pela Bose, rodas aro 19 e muito mais. Ufa!

A multimídia de 8″ é bem completa, mas peca pela interface pra lá de antiquada (Foto: Lucca Mendonça)

Alguns detalhes como a multimídia de interface antiquada (apesar de ser bem completa, trazendo até navegador GPS nativo), ou então os alertas de condução replicados em vibrações no banco do motorista podem não agradar uns ou outros, mas nada disso chega a realmente incomodar considerando tudo que ele traz de série nesse preço atraente.

Lembrando que essa versão Premier é a única disponível atualmente e todos esses equipamentos já estão inclusos nela, até porque não existem opcionais. O único adicional no carro das fotos é a cor Branco Abalone perolizada, que custa R$2.200 e eleva o preço final desse Equinox Premier 1.5T para R$195.990. Além desse branco existe apenas o preto sólido e prata metálico, nada de tons mais alegres como azul ou vermelho.

Cores disponíveis: branco, prata e preto. Nada de cores mais alegres (Foto: Lucca Mendonça)

Novidades estão por vir: Preços baixos assim só até outubro

Uma reestilização de meia vida do Equinox já está chegando ao Brasil. Na realidade ela já existe no exterior há alguns meses, mas deve ser lançada por aqui em meados de outubro. Além do visual renovado por dentro e por fora (nada tão radical assim, mas perceptível), ele deve receber ainda mais conteúdo de série, mas manterá a mecânica atual, incluindo o motor 1.5 turbo e câmbio automático de 6 marchas.

As mudanças no design dessa linha 2022 são leves, mas notáveis (Foto: Divulgação/Chevrolet)

Com essa tal reformulação para a linha 2022, o Equinox vai ter boas alterações na tabela de preços: vai encarecer e chegar mais perto dos rivais. Não deve subir R$50 ou R$60 mil de uma vez só, então ele provavelmente vai continuar sendo a “pechincha” do segmento. Não tanto quanto hoje, mas vai. É esperar mais alguns meses para ver…

E aí, vale a pena?

Bom, bonito e barato. Um dos melhores negócios do segmento (Foto: Lucca Mendonça)

Sem dúvidas é um dos melhores negócios quando se procura um SUV médio. Seu preço é “baixo” (nas devidas proporções, é claro), ele tem virtudes de sobra, muito conteúdo de série, conjunto mecânico interessante e visual que chama atenção por onde passa. Não perde em absolutamente nada para os concorrentes (pelo contrário) e pode ser até 30% mais barato. Tem coisa melhor? Muito difícil…

Ficha técnica

Concepção de motor: 1.490 cm³, gasolina, quatro cilindros, 16 válvulas (quatro por cilindro), turbo, injeção direta de combustível, duplo comando de válvulas, variador de fase na admissão e escapamento, bloco e cabeçote fundidos em alumínio
Transmissão: Automática com conversor de torque e 6 velocidades, sem possibilidade de trocas manuais
Tração: Integral sob demanda (AWD)
Potência: 172 cv a 5.600 rpm
Torque: 27,8 mkgf entre 2.500 e 4.500 rpm
Suspensão dianteira: Independente, McPherson, com barra estabilizadora
Suspensão traseira: Independente, Multilink com quatro pontos de fixação
Direção: Tipo pinhão e cremalheira, assistência elétrica progressiva
Freios: Discos ventilados na dianteira, discos sólidos na traseira
Pneus e rodas: Hankook Ventus S1 Noble2, medidas 235/50. Rodas de liga-leve aro 19
Dimensões (comprimento/largura/altura/entre-eixos): 4,65 m/1,84 m/1,70 m/2,72 m
Porta-malas: 468 litros
Tanque de combustível: 56 litros
Peso em ordem de marcha: 1.673 kg
Aceleração 0 a 100 km/h: 9,5 segundos (aproximadamente)
Velocidade máxima: 195 km/h
Preço básico: R$193.790

Equipamentos de série

Airbag duplo, laterais e de cortina, Alarme, Alerta de pressão dos pneus, Controle de estabilidade e tração, Faróis e lanterna de neblina, Faróis dianteiros tipo projetor com xênon e ajuste de altura, Luz de condução diurna em LED, Lanterna em LED, Protetor de cárter, Sensor de estacionamento dianteiro e traseiro, Sistema de fixação de cadeiras para crianças (“Isofix”), Sistema de freios com ABS, EBD e PBA, Espelhos retrovisores e maçanetas externas na cor do veículo, Parachoques dianteiro e traseiro pintados na cor do veículo com detalhes em preto texturizado, Maçanetas internas cromadas, Grade frontal em preto “High Gloss”, Rack de teto, Rodas de alumínio aro 18”, Faróis com sensor crepuscular, Assistente de partida em aclive, Câmera de ré, Chave eletrônica, Easy Entry – Abertura das portas e alarme através de sensor de aproximação na chave, Computador de bordo com tela LCD colorida com informações gerais de consumo, áudio, telefone, navegação e veículo, Indicador de vida útil do óleo, Cobertura do porta-malas, Controlador de velocidade de cruzeiro, Descansa-braço dianteiro e traseiro, Direção elétrica progressiva, Espelho retrovisor interno eletrocrômico, Banco com revestimento premium na cor Preto “Jet Black”, Banco traseiro com encosto ajustável, bipartido e rebatível para assoalho plano, Banco do motorista com regulagem elétrica de altura e distância do assento e de inclinação e lombar no encosto, Ar-condicionado dual zone com controle eletrônico de temperatura, sistema de recirculção e dutos de ar para o banco traseiro, Coluna de direção com regulagem em altura e profundidade, Espelhos retrovisores externos elétricos, aquecidos, com indicador de direção e rebatimento elétrico, Transmissão automática de seis velocidades com opção de troca manual (modo de seleção de marcha eletrônico ERS), Vidro elétrico nas portas com acionamento por “um toque”, antiesmagamento e fechamento-abertura automática pela chave, ‘Chevrolet MyLink, com Tela LCD sensível ao toque de 8″, navegador integrado, integração com smartphones através do Android Auto e Apple CarPlay, Rádio AM-FM, Entrada USB e Aux-in, Função Audio Streaming, Conexão Bluetooth para Celular e configurações do veículo, Controles de áudio e telefonia no volante, OnStar – Pacote Exclusive, Alerta de colisão frontal, Alerta de detecção de pedestre frontal com auxílio de frenagem, Alerta de movimentação traseira, Alerta de mudança de faixa, Alerta de ponto cego, Alerta vibratório de segurança no banco do motorista, Assistente de permanência na faixa, Apliques decorativos no painel central e nas portas dianteiras em LED, Banco do motorista com 2 memórias de posição, Controle de velocidade em declive, Frenagem automática de emergência, Indicador de distância do veículo da frente, Abertura e fechamento elétrico da tampa do porta-malas com acionamento interno, pela chave e por sensor de movimento, Carregador wireless, Easy Park – sistema de estacionamento semiautomático, Sensor de chuva, Sistema de partida do motor por controle remoto “Remote Start System”, com acionamento do Ar-Condicionado, Sistema premium Bose de áudio com 5 alto-falantes, 2 Tweeters, Faróis dianteiros tipo projetor em LED, Farol alto adaptativo, Maçanetas externas e grade frontal com detalhes cromados, Rodas de alumínio aro 19”, Teto solar elétrico panorâmico e Tração integral (AWD).

Compartilhar:
Tem 20 anos, atualmente cursa Publicidade e Propaganda na Universidade Paulista, é filho do jornalista Douglas Mendonça, e desde que se conhece por gente, convive com carros e está envolvido no mundo automobilístico. Aprendeu a ler nas revistas automotivas, cresceu frequentando oficinas, corridas, encontros e eventos com o pai, e daí veio sua maior paixão: os carros. Um gearhead legítimo, Lucca se tornou o braço direito do pai após sua perda de visão em 2012, ajudando na produção de matérias, reportagens, avaliações e textos sobre carros. No Carros & Garagem, é responsável pela cobertura de eventos de lançamento de novos veículos, e produz avaliações, fotos e comparativos de modelos. Os carros estão até nos seus hobbies: Possui um acervo com mais de 300 manuais do proprietário de veículos diversos, incluindo antigos e modernos, além de colecionar revistas, folders, catálogos, e vários outros materiais automotivos.