(Avaliação) Peugeot Partner Rapid e a vantagem sobre a Fiorino

Hoje os carros de trabalho ficam “pau a pau” com qualquer popular no quesito conforto e equipamentos. Sendo assim, porque não dar espaço para a Peugeot Partner Rapid, irmã gêmea da Fiat Fiorino? Ela tem ar, direção, vidro, trava, computador de bordo, faróis de neblina, limitador de velocidade, chave canivete e calotas. Pelo menos nessa versão mais completa é tão equipada quanto um Mobi ou Kwid, ou quase isso: um rádio cairia bem, até porque toda a preparação já está lá (antena, fiação, alto-falantes). O aparelho pode ser comprado como acessório.

Quase um carro de passeio, a Parner Rapid tem tudo que se encontra em um popular (Foto: Lucca Mendonça)

Causadora de muitas testas franzidas por aí (todo mundo bate o olho numa Fiorino e fica confuso ao se atentar nos emblemas Peugeot), essa Partner Rapid é um fruto bem interessante da Stellantis e tem missões: popularizar mais a linha profissional da Peugeot brasileira, além de ajudar a quebrar alguns paradigmas da marca por aqui, principalmente depois do passado inglório com a picape Hoggar. Não tem como dar errado, afinal é uma Fiorino renomeada e, o melhor, custando menos que seu modelo de origem.

Esse é o segredo da Partner Rapid: ela parte de R$104 mil em uma versão basicona que a Fiat não oferece mais na Fiorino, chamada de Business, dispensando boa parte daquele luxo citado ali em cima. O preço inicial menor atrai quem precisa de um furgão simples e não faz questão de muita mordomia, o que faz crescer os olhos de pequenas empresas ou empreendedores. Essa versão Business Pack das fotos, completa, já vai para quase R$110 mil e empata com a Fiorino Endurance, versão única do modelo veterano.

Essa Business Pack é igual a Fiorino Endurance no conteúdo e preço. O segredo é a Business de entrada (Foto: Lucca Mendonça)

Falando em veterano, o 1.4 Fire EVO, com quatro cilindros e oito válvulas, é quem move esse Peugeot com bastante fôlego. É um motor que dispensa apresentações e já tem bons anos de estrada apostando na manutenção barata e concepção bem simples. Os 84/86 cv de potência e 11,8/12,2 mkgf de torque (gasolina/etanol) são modestos, mas bem explorados pelas relações curtíssimas do câmbio manual de 5 marchas. A 1ª, para se ter uma ideia, nem precisa ser usada com o carro vazio, já que ele sai em segunda até nas subidas e sem reclamar.

Fire EVO de 1.4 litro está lá, sem o logo da Fiat, mas aliado a um curtíssimo câmbio manual de 5 marchas (Foto: Lucca Mendonça)

Para a Partner Rapid, feita para trabalhar, é um conjunto ideal: tem boa dose de torque em baixas rotações, relações curtas do câmbio manual para aproveitar a força do motor, qualquer mecânico sabe mexer ou consertar, suas peças são baratas e fáceis de achar e, para fechar, consegue gastar pouco combustível. Abastecido com gasolina, o carro testado passou dos 12,5 km/l na cidade e foi além dos 15,0 km/l na estrada, onde a aerodinâmica de furgão pesa contra. Ótimo!

Aerodinâmica desfavorável não prejudicou tanto o consumo, que ainda agrada (Foto: Lucca Mendonça)

Por trás dos emblemas do leão, a grade nova, um jogo de calotas “bonitinho” e outros detalhes bem discretos, temos o bom e velho furgão da Fiat em sua versão mais atual, que já tem carroceria de linhas compartilhadas com o último Uno e interior de Strada Endurance. Todo mundo sai ganhando com isso: a Stellantis economiza no desenvolvimento de componentes inéditos e quem usa o carro tem boa dose de ergonomia, incluindo posição alta de guiar, e facilidade com os vários porta-trecos ou operação tranquila dos (poucos) comandos.

Claro que, por falarmos de um carro de trabalho que tem até feixes de mola na suspensão traseira para carregar seus 650 kg de carga útil, a Partner Rapid não é nenhum tapete sobre rodas, mas vence tranquilamente a buraqueira, valetas e qualquer irregularidade do piso sem judiar muito do motorista e passageiro. A boa altura do solo e robustez típica de um furgão profissional ajudam também quando é preciso rodar fora do asfalto, como numa estrada de terra ou cascalho. Pedir silêncio a bordo ou suavidade do conjunto mecânico já é demais.

Robustez geral é como a de uma Fiorino, o que não abre espaço para críticas (Foto: Lucca Mendonça)

O melhor vai, e está, lá atrás, no baú de 3,3 m³. Bem maior por dentro do que parece, ele tem mais de 1,60 m de comprimento, 1,30 m de largura e quase 1,40 m de altura, fora o puxadinho que fica acima da cabine e seu espaço para mais algumas “tralhas” específicas de até 10 kg. O espaço é até arejado por uma grade na divisória com a cabine, e conta com iluminação própria, ganchos para fixação da carga e um tapete emborrachado que tem uma camada de espuma por baixo.

Plus da Peugeot

Oferecer essa tal versão de entrada, que é mais simples em troca de um preço menor, é a grande sacada da Peugeot, o “plus” do negócio. Assim a Partner Rapid se diferencia da Fiat Fiorino e consegue ganhar espaço em um segmento que, praticamente, é dominado por essas irmãs gêmeas da Stellantis.

Ficha técnica:

Concepção de motor: 1.368 cm³, flex, quatro cilindros, 8 válvulas (duas por cilindro), aspiração natural, injeção indireta de combustível, comando de válvulas único no cabeçote, bloco em ferro fundido e cabeçote em alumínio
Transmissão: manual de 5 marchas
Potência: 84/86 cv a 6.000 rpm (gasolina/etanol)
Torque: 11,8/12,2 mkgf a 4.000 rpm (gasolina/etanol)
Suspensão dianteira: independente, tipo McPherson, com barra estabilizadora
Suspensão traseira: eixo rígido com feixes de molas
Direção: com assistência hidráulica
Freios: discos ventilados na dianteira e tambores na traseira
Pneus e rodas: Goodyear EfficientGrip Performance, medidas 175/70 e rodas de aço com calotas aro 14
Dimensões (comprimento/largura/altura/entre-eixos): 4,70 m/1,64 m/1,90 m/2,71 m
Baú: 3.300 litros
Capacidade de carga: 650 kg
Tanque de combustível: 55 litros
Peso em ordem de marcha: 1.131 kg
Aceleração 0 a 100 km/h: 14,7/13,7 segundos (gasolina/etanol)
Velocidade máxima: 158/160 km/h (gasolina/etanol)
Preço básico: R$103.990 (Business) e R$108.990 (Business Pack)

Itens de série:

ABS, Airbag duplo frontal, Alarme Perimétrico, ESP – Controle de estabilidade, TC – Controle de tração, Faróis de neblina, Hill Assist – Sistema auxiliar de partida em rampa, Indicador de cinto não colocado para o motorista, Luzes diurnas halógenas (DRLs), Repetidor de seta nos espelhos retrovisores, Calotas aro 14, Protetor de cárter, Terceira luz de freio, Apoios de cabeça dianteiros com regulagem de altura, Ar quente, Ar-condicionado, Banco do motorista com regulagem de altura, Travamento central das portas, Chave tipo canivete com telecomando, Cintos de segurança com ajuste de altura, Computador de bordo, Direção com regulagem de altura, Limitador de velocidade, Luz interna na cabine com temporizador, Para-sóis biarticulados, Iluminação no porta-luvas, Predisposição para rádio, Tomada 12V, Travas elétricas, Vidros elétricos com função one-touch

Compartilhar:
Com 21 anos, está envolvido com o meio automotivo desde que se conhece por gente através do pai, Douglas Mendonça. Trabalha oficialmente com carros desde os 17 anos, tendo começado em 2019, mas bem antes disso já ajudava o pai com matérias e outros trabalhos envolvendo carros, veículos, motores, mecânica e por aí vai. No Carros&Garagem produz as avaliações, notícias, coberturas de lançamentos, novidades, segredos e outros, além de produzir fotos, manter a estética, cuidar da diagramação e ilustração de todo o conteúdo do site.