(Lançamento) Novo Renault Kwid 2023 muda visual e ganha equipamentos inéditos

Depois de cerca de 4 anos e meio de vendas e mais de 277 mil unidades comercializadas no mercado brasileiro, o Renault Kwid passa por sua primeira reestilização. Subcompacto de origem indiana, ele é o único concorrente do Fiat Mobi, e agora está de cara nova (e preços também). A maior “baixa” foi a versão despojada Life: ela saiu de cena, deixando o posto de “carro de entrada” para a Zen, que parte de R$59.890. Logo em seguida está a Intense, de R$64.190, e no topo da linha a Outsider, de R$67.690. De carro popular, restou apenas o porte…

Foto: Renault/divulgação

Visualmente falando, as maiores mudanças estão na dianteira, que agora segue a tendência do conjunto óptico dividido em dois andares (à la Fiat Toro ou Citroën C4 Cactus, por exemplo). Parachoques dianteiros e traseiros, capô e paralamas também mudaram, se adequando à nova identidade visual da marca. Agora o modelo conta com luzes diurnas e lanternas traseiras de LED em todas as versões, além da tão esperada opção das rodas de liga-leve de fábrica (antes eram só calotas plásticas).

Internamente, onde o Kwid mais mostrava seu lado de carro barato, as novidades se concentraram no painel de instrumentos, que agora é inteiramente digital, multimídia inédita de 8” com conexões Android Auto/Apple CarPlay, e diversas melhoria em detalhes antes criticados, como manopla do câmbio manual de 5 marchas, maçanetas, saídas de ar-condicionado e tampa do porta-luvas, por exemplo. O acabamento, segundo a Renault, também foi aperfeiçoado e ganhou opção de diferentes tons.

Foto: Renault/divulgação

Mais econômico e fácil de atravessar obstáculos

Antes já elogiados, os ângulos de entrada e saída do Kwid 2023 estão ainda maiores: 24,1º e 41,7º, respectivamente. Por outro lado, a altura do solo ainda é a mesma, de bons 185 mm. Destaque também para a boa distância entre-eixos, que permaneceu inalterada com seus 2,42 m, e porta-malas de 290 litros.

Foto: Renault/divulgação

Mecanicamente ele mantém a receita de antes, composta pelo motor 1.0 SCe de três cilindros com 12 válvulas e câmbio manual de 5 marchas. Graças a pequenas melhorias, o Novo Kwid está com um pouquinho a mais de potência e torque: 68/71 cv e 9,4/10,0 mkgf a 4.250 rpm com etanol/gasolina. O sistema Start&Stop, agora de série, ajudou na melhora de 5% no consumo urbano, bem como os novos pneus verdes, com menor resistência à rolagem.

Mais seguro

As maiores boas novas dessa linha 2023 estão na segurança: O Kwid agora conta com controles eletrônicos de estabilidade (ESP) e tração (ASR), assistente de partida em rampas (Hill Holder), monitor de pressão dos pneus (TPMS) e alerta de uso do cinto de segurança para o banco traseiro, todos itens presentes desde a versão mais barata, ou menos cara. Assim como antes, ele mantém também de série os quatro airbags (dois frontais e dois laterais), além das obrigatoriedades das leis atuais, como freios ABS, fixações ISOFIX para cadeirinhas, cinto de três pontos para todos os ocupantes e encosto de cabeça traseiro central.

Foto: Renault/divulgação

Futuro elétrico

Sem muitas informações, a Renault confirmou que lançará em breve uma versão elétrica do Kwid no mercado nacional, informando inclusive que “será o próximo carro 100% elétrico lançado no Brasil”. Chamado de E-TECH por aqui, o modelo já é vendido na Europa, mas como Dacia Spring. Segundo a marca, ele ganhará um motor elétrico desenvolvido especialmente para as condições brasileiras.

Já disponível na rede de concessionárias Renault, o Kwid 2023 tem garantia de 3 anos ou 100 mil km, o que ocorrer primeiro. As cores disponíveis são Vermelho Fogo, Branco Glacier, Prata Étoile, Preto Nacré e Azul Iron (esta exclusiva das versões Intense e Outsider), existindo também a possibilidade de pintura da carroceria em dois tons. Confira mais fotos e os conteúdos de cada versão do modelo:

Compartilhar:
Tem 20 anos, cursa Publicidade e Propaganda, é filho do jornalista Douglas Mendonça, e desde que se conhece por gente, convive com carros e está envolvido no mundo automobilístico. Aprendeu a ler nas revistas automotivas, cresceu frequentando oficinas, corridas, encontros e eventos com o pai, e daí veio sua maior paixão: os carros. Lucca se tornou o braço direito do pai após sua perda de visão em 2012, ajudando na produção de matérias, reportagens, avaliações e textos. No Carros & Garagem, é responsável pela cobertura de eventos de lançamento de novos veículos, e produz avaliações, fotos e comparativos de modelos.