(Lançamento) BYD King DM-i chega em duas versões querendo ser “o rei dos sedans”

Depois de muitos anos de marasmo, o mercado de sedans médios no Brasil está com um integrante inédito: o BYD King DM-i, híbrido plug-in que tem como missão incomodar o queridinho Toyota Corolla, atual líder (disparado) do segmento. O King, atualmente um dos carros mais vendidos da marca pelo mundo, é uma espécie de variante da segunda geração do Qin chinês, lançada por lá em 2018. Como curiosidade, o tal Qin é sucessor do F3, sedan vendido pela BYD lá pelos anos 2000, marcante pela sua gigantesca semelhança com o Corolla de 2003 em diante.  

Voltando ao King, que a marca promete presença em todas as concessionárias espalhadas pelo Brasil nos próximos dias, temos um sedan médio de dimensões superiores às dos rivais: tem 4,78 m de comprimento, 1,84 m de largura, 1,50 m de altura e bons 2,72 m na distância entre-eixos, comportando 450 litros no porta-malas. Para efeito de comparação, um Corolla atual tem, na ordem, 4,63 m X 1,78 m X 1,45 m X 2,70 m, mas 470 litros de porta-malas. Chegam ao mercado nacional duas versões do BYD: GL, por R$175.800, e GS, por R$187.800. Por conta da tradução do seu nome, a marca já o trata como “o novo rei do mercado de sedans”. 

Mecanicamente, além das suspensões tipo McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira, os freios são a disco nas quatro rodas. O powertrain é emprestado do SUV médio Song Plus: motor 1.5 16v a gasolina com cerca de 110 cv de potência com 14 mkgf de torque, que, na maior parte do tempo, serve apenas como gerador para as baterias de 8,3 kWh de capacidade na versão de entrada ou 18,3 kWh na topo de linha. Quem se alimenta dessa carga é um motor elétrico dianteiro de 180 cv e 32 mkgf na versão GL ou quase 200 cv e 33 mkgf na configuração mais cara GS. No total, o King GL rende 209 cv de potência, enquanto o GS chega a 235 cv, e ambas usam uma transmissão automática tipo CVT dedicada a carros eletrificados.

As diferenças de números entre as duas versões seguem no desempenho e autonomia. A GS, mais cara, leva 7,3 segundos na prova de 0 a 100 km/h, versus quase 8,0s da mais em conta. Ambas têm velocidade máxima limitada em 185 km/h. O alcance no modo 100% elétrico é bem maior na GS, graças as suas baterias de maior capacidade: são 120 km pelo ciclo NEDC ou 80 km pelo PBEV (INMETRO), enquanto a GL, com 8,3 kWh, consegue rodar até 55 km sem gastar gasolina (NEDC).  

Nas melhores condições, somando a carga completa das baterias mais o tanque de 48 litros cheio de gasolina, o King pode rodar até 1.200 km sem precisar parar para reabastecer, informa a BYD. A recarga em fontes externas pode ser feita em wallbox, eletropostos ou tomadas residenciais de 220V, com potência máxima de 3,3 kW na versão GL ou 6,6 kW na GS topo de linha.  

Embora não se pareça tanto com outros sedans da marca, como Seal EV e Han EV, o King DM-i traz algumas tecnologias compartilhadas com os demais BYD, como a multimídia rotativa (12,8”) conectada com a internet e com comandos por voz, painel de instrumentos digital (8,8”) e a tecnologia V2L, que permite ao carro servir como gerador para equipamentos elétricos e eletrônicos. Chama a atenção a ausência de quaisquer assistentes inteligentes de condução nos seus equipamentos de série, como ACC, alerta de colisão ou frenagem autônoma de emergência. 

A GL traz conjunto óptico em LED, rodas de liga-leve diamantadas aro 17, banco do motorista com ajustes elétricos, bancos forrados em couro sintético, carregador de celular sem fio, piloto automático, freio de mão eletromecânico com função Auto Hold, chave presencial, partida por botão, sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, retrovisores externos rebatíveis e aquecíveis, câmera 360º, navegador GPS online embutido, ar-condicionado automático digital, saídas de ar para o banco traseiro, 6 airbags e por aí vai. A GS completa a lista com ajustes elétricos para o banco do passageiro, iluminação ambiente em LED, sistema de som com oito alto-falantes (seis no GL) e segunda zona de temperatura do ar-condicionado digital automático.  

Com garantia de seis anos sem limite de quilometragem, ou oito anos também com km ilimitada para as baterias, o BYD King DM-i é bastante tímido nas opções de cores: só tem preto, branco e cinza, todas com interior mesclando preto com cinza de série. 

Compartilhar:
Com 22 anos, está envolvido com o meio automotivo desde que se conhece por gente através do pai, Douglas Mendonça. Trabalha oficialmente com carros desde os 17 anos, tendo começado em 2019, mas bem antes disso já ajudava o pai com matérias e outros trabalhos envolvendo carros, veículos, motores, mecânica e por aí vai. No Carros&Garagem produz as avaliações, notícias, coberturas de lançamentos, novidades, segredos e outros, além de produzir fotos, manter a estética, cuidar da diagramação e ilustração de todo o conteúdo do site.