Ayrton Senna: A verdadeira causa do acidente que matou o campeão

Foi em um domingo, 1º de maio, estávamos no ano de 1994 e nosso ídolo campeão Ayrton Senna disputava o GP de San Marino, no autódromo de Ímola. Apesar de ter cravado a pole de número 65, o final de semana não era dos mais auspiciosos: no treino de sexta-feira, o então novato piloto brasileiro Rubens Barrichello sofrera um grave acidente, que chegou até mesmo capotar o seu carro. No treino classificatório do sábado, o piloto austríaco Roland Ratzenberger bateu forte e morreu dentro do carro, antes mesmo de receber atendimento. Esses dois fatos já haviam feito do GP de San Marino uma corrida tenebrosa. Mas o mundo não sabia que outra tragédia estava por acontecer. Depois de uma largada confusa, a corrida passou a transcorrer aparentemente dentro da normalidade. Ayrton com sua Williams FW16 azul disparava na ponta, seguido por Michael Schumacher e o restante do pelotão. Ao que tudo indicava, seria 42ª vitória de Senna. Mas o destino não quis assim.

Para quem pensa que na Fórmula 1 não existem remendos, um engano. Nos treinos livres do GP do Brasil de 1994, Senna reclamou para a equipe que o volante do seu carro poderia ficar um pouco mais perto dele, fato que facilitaria sua pilotagem e adaptação às características do seu novo FW16. A equipe Williams então cerrou a barra de direção e adaptou no trecho cortado uma luva metálica de alguns centímetros, permitindo dessa forma que o volante chegasse mais perto do piloto. A fixação da luva na barra foi feita com solda, uma adaptação precária que deveria ser substituída por uma nova barra de direção com o comprimento que adaptasse o volante à posição do Ayrton de pilotar.

Mas, infelizmente, o provisório criado para o GP do Brasil acabou se transformando em permanente. O que os engenheiros da equipe inglesa não previram é que aquela solda provisória se romperia por fadiga. Essa fadiga foi gerada pelos impactos que a barra de direção recebe por conta das imperfeições da pista e pelos próprios esforços que ela sofre em curvas ou movimentos bruscos, causando assim a desconexão do volante com a caixa de direção. Basicamente, o nosso campeão virava o volante para tentar fazer a curva e o carro continuava em linha reta, pois a caixa de direção não recebia o comando do volante. Literalmente, Ayrton perdeu o controle do carro.

Em uma curva de alta velocidade, a mais de 300 km/h, nosso campeão virou o volante ligeiramente para a esquerda e o carro não obedeceu. O impacto diretamente contra o muro foi violento. O carro do campeão foi completamente destruído e, de tão forte a batida, foi arremessado novamente em direção a pista. Um componente da suspensão do FW16 furou o capacete de Senna, provocando sua morte quase que instantaneamente. O Brasil perdia um de seus maiores ídolos esportivos. Um exemplo de obstinação, de atleta, de dedicação, de paixão pelo esporte, de honradez e seriedade. Um esportista que, como poucos, foi visto pela população brasileira. Tanto que no seu funeral houve uma comoção nacional e o país parou para render suas últimas homenagens a esse grande brasileiro.

Ayrton Senna começou na Fórmula 1 em 1984, correndo pela equipe Toleman. Era um carro pouco competitivo, mais que Ayrton sempre colocava entre os oito primeiros. As equipes grandes perceberam o talento do brasileiro e em 1985 ele já pilotava um Lotus, carro com o qual garantia a sua primeira vitória, ocorrida em um GP de Portugal marcado por uma chuva torrencial. Depois foi pilotar para a McLaren, onde em 1988 garantia o seu primeiro campeonato mundial. Já em 1990, ainda pela equipe inglesa, veio o segundo título, seguido no ano seguinte pelo tricampeonato.

É importante lembrar que o trio Senna/McLaren/Honda mostrou-se sempre imbatível: O brasileiro fazendo milagres atrás do volante; a McLaren desenvolvendo chassi, suspensão e aerodinâmica apuradíssimas; e a Honda desenvolvendo altas tecnologias em motores classificados como geniais. Tanto que o nome de Ayrton Senna é venerado com respeito até hoje no Japão pelos entusiastas da Fórmula 1.

Outros projetos povoavam a mente de Senna. Em 1994, depois de firmar um contrato com a Audi na Alemanha, nosso campeão seria representante da marca no Brasil. Não houve tempo para que esse acordo se concretizasse, pois Ayrton partiu de nosso convívio ainda no início desse episódio. Mas o projeto Audi foi levado adiante por sua família. Nessa época, eu trabalhava na revista Quatro Rodas, que fez uma grande matéria com Ayrton mostrando os Audi que chegariam ao nosso mercado. Na época, meu amigo Eduardo Pincigher foi convocado a fazer a reportagem e andar com Ayrton na pista de Interlagos. E então Senna fez uma revelação interessante: “apesar de já ter ganho corrida de Fórmula 1 aqui em Interlagos, nunca andei com carros normais de rua nessa pista. Essa será minha primeira vez”.

Eduardo contou que o campeão se divertiu com o Audi e depois quis matar uma curiosidade: “como será andar na contramão do circuito? Será que muda muito?”. Ayrton virou o carro e fez uma volta pelo circuito completo andando na contramão. Admirado percebeu que Interlagos se transformava em outro circuito quando se andava no sentido inverso. Coisas de Ayrton Senna. Nosso tricampeão morreu fazendo o que mais gostava na vida: em um circuito veloz, em sexta marcha, pé embaixo e liderando a corrida. Coisas de um supercampeão.

Compartilhar:
  • Avatar
    Daniel
    12 de maio de 2019 - 20:32

    Douglas,antes de mais nada, parabéns pelo site! Quanto à causa do acidente que matou nosso campeão, realmente não consigo entender como fazem uma gambiarra digna de uma oficina de fundo de quintal,numa categoria onde não se pensa duas vezes antes de gastar,ainda mais em um item tão importante para a segurança. Grande abraço!

    1Vote Up0Vote Down
    • Douglas Mendonça
      Douglas Mendonça
      12 de maio de 2019 - 22:19

      Muito obrigado pelo elogio, Daniel! É verdade, inimaginável que na Fórmula 1 ainda se fizessem gambiarras como essa. O problema não foi o improviso no GP do Brasil, o grande erro foi não ter feito uma nova barra de direção sem emendas com as novas dimensões que nosso campeão pediu. Literalmente, um erro fatal. Abraço.

      1Vote Up0Vote Down
  • Avatar
    Erley Rodrigues
    13 de maio de 2019 - 21:53

    Gostei muito do site. É bom termos mais uma fonte de informação sobre o assunto que mais me atrai desde criança, o automóvel.
    Quanto ao acidente que vitimou Ayrton Senna, se não me engano foi o início da trajetória descendente da Williams na fórmula 1.

    0Vote Up0Vote Down
    • Douglas Mendonça
      Douglas Mendonça
      14 de maio de 2019 - 16:03

      Muito obrigado pelo elogio, Erley! Abraço.

      0Vote Up0Vote Down

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *