(Avaliação) Fiat Argo S-Design é o 1.0 aspirado mais completo do Brasil. Vale a pena?

O Argo é um carro bem versátil até para as estratégias de mercado da Fiat. Da mesma forma que ele substituiu o Palio (hatch popular), Punto (hatch compacto premium) e Bravo (hatch médio) em uma tacada só em 2017, hoje ele consegue brigar em várias faixas de preço com um bom leque de versões e mecânicas diferentes. Para se ter uma ideia, só o Argo com motor 1.0 pode ocupar a lacuna entre R$65 mil e quase R$80 mil, isso sem nem falar do motor 1.3 e do 1.8 com câmbio automático, que brincam nos andares de cima. É pau pra toda obra, e todo preço.

Foto: Lucca Mendonça

“Mas quem é que paga quase R$80 mil em um Argo 1.0?” Pois é, esses compradores existem, e são eles que a Fiat quer atingir com a versão completona Drive S-Design, de pouco mais de R$77 mil. A mecânica é a mesma dos outros Argo mais baratos, que geralmente rodam como carros de aplicativo e afins: motor 1.0 6v Firefly de 72/77 cv e 10,4/10,9 mkgf a 3.250 rpm (gasolina/etanol), além do câmbio manual de 5 marchas que divide opiniões pelos engates um tanto imprecisos e relações curtas. Uma dupla bem robusta e, principalmente, moderna.

Sob o capô, o honesto 1.0 6V Firefly (Foto: Lucca Mendonça)

O carrinho anda bem mesmo não sendo dos mais leves (passa fácil dos 1.150 kg nessa configuração testada), já que essa família de motores Firefly tem como destaque a elasticidade e bom torque nas baixas rotações. As tais relações curtas do câmbio também pesam a favor na hora de poupar combustível, e garantem mais agilidade no uso dentro da cidade, o habitat natural dos carros 1.0. As limitações são mais sentidas na estrada: O velho truque de desligar o ar-condicionado nas retomadas ou subidas ajuda, mas dependendo da situação é preciso apelar até para a quarta marcha.

Ainda assim ele se mostra bem vivo pra um carro 1.0 com menos de 80 cv, consegue tranquilamente médias acima dos 10 km/l na cidade e 13 km/l na estrada (etanol) e mantém aqueles bons predicados do modelo no geral, como acabamento digno, espaço interno interessante e porta-malas de 300 litros. Serve tanto para casais sem filhos quanto para pequenas famílias, sem muito aperto.

Predicados como bom espaço interno, porta-malas honesto e economia de combustível pesam a favor (Foto: Lucca Mendonça)

Versão de entrada com cara de topo de linha: Custo X benefício não atrai

Quem olha pra esse carro das fotos com rodas de liga-leve aro 15, acabamento diferenciado em vários detalhes da carroceria e faróis de neblina nem imagina que se trata de uma versão de entrada. Por dentro idem, já que ele traz desde conjunto elétrico completo (retrovisores, travas e vidros elétricos nas quatro portas), volante em couro, bancos exclusivos, painel bicolor até regalias como ar-condicionado digital automático e chave presencial pra abrir as portas e ligar o motor. Alguns desses luxos são opcionais até na topo de linha HGT 1.8, que supera a casa dos R$95 mil. Coisa fina pra um “milzinho” popular.

Volante em couro, acabamento diferenciado, ar-condicionado automático digital e chave presencial: Itens que nem o top de linha HGT trazem de série (Foto: Lucca Mendonça)

A grande reviravolta dessa história toda é que um Argo Drive S-Design igualzinho a esse avaliado mas com motor 1.3 custa R$78.290. Uma diferença de míseros R$1.150. O pacote de itens de série é o mesmo, com todos esses diferenciais, mas o motor 1.0 dá lugar ao eficiente 1.3 8v da mesma família Firefly. A diferença de potência e torque é gritante: são 109 cv e 14,2 mkgf de torque do 1.3 contra os 77 cv e 10,9 mkgf de torque do 1.0 (com etanol nos dois casos). Se a relação custo X benefício do S-Design 1.0 já não era das melhores, agora piora de vez.

Só de olhar a ficha técnica de ambos já dá pra saber qual é o melhor negócio, e com certeza esse 1.0 perde feio. O S-Design 1.3 não é lá daquelas pechinchas maravilhosas pelo preço que custa, mas com certeza vale muito mais a pena. E fora a boa dose de potência/torque extras, os Argo 1.3 tem uma revenda melhor principalmente nesses casos em que o carro é bem equipadinho. Além de tudo isso, deve ser levado em conta também o fator emocional da compra: Quem procura um carro bem recheado de itens de série e bonitinho como essa linha S-Design parte logo para o motor mais potente, deixando de lado a versão mais fraca.

Apesar da proposta interessante de um 1.0 completão, esse Argo perde feio na relação custo X benefício quando comparado com o S-Design 1.3 (Foto: Lucca Mendonça)

Essa proposta de ter um popular 1.0 completão é bem interessante e chega a ser até inusitada hoje em dia, mas com o motor 1.3 custando praticamente a mesma coisa, não tem nem muito o que pensar na hora da compra. Vai desembolsar pouco menos de R$80 mil em um Argo S-Design? Nem pense no “milzinho”, parta logo para o 1.3 mais potente, torcudo, agradável de guiar e melhor de revender.

Ficha técnica:

Concepção de motor: 999 cm³, flex, três cilindros, 6 válvulas (duas por cilindro), aspirado, injeção indireta de combustível, comando de válvulas único no cabeçote, bloco/cabeçote em alumínio
Transmissão: manual de 5 marchas
Potência: 72 cv a 6.000 rpm/77 cv a 6.250 rpm (gasolina/etanol)
Torque: 10,4 mkgf/10,9 mkgf a 3.250 rpm (gasolina/etanol)
Suspensão dianteira: Independente, McPherson, com barra estabilizadora
Suspensão traseira: Eixo de torção com molas helicoidais
Direção: Do tipo pinhão e cremalheira com assistência elétrica progressiva
Freios: Discos ventilados na dianteira, tambores na traseira
Pneus e rodas: Continental ContiPower Contact, medidas 185/60. Rodas de liga-leve aro 15
Dimensões (comprimento/largura/altura/entre-eixos): 4,00 m/1,72 m/1,50 m/2,52 m
Porta-malas: 300 litros
Tanque de combustível: 48 litros
Peso em ordem de marcha: 1.150 (aproximadamente)
Aceleração 0 a 100 km/h: 14,4 seg./13,4 seg. (gasolina/etanol)
Velocidade máxima: 157 km/h/162 km/h (gasolina/etanol)
Preço básico: R$77.140

Itens de série:

Aerofólio traseiro na cor do veículo, Alarme antifurto, Alertas de limite de velocidade e manutenção programada, Apoia-pé para o motorista, Ar-condicionado digital, Badge lateral S-Design, Banco do motorista com regulagem de altura, Banco traseiro rebatível, Bancos com acabamento exclusivo S-Design, Brake light, Central Multimídia UCONNECT de 7″ Touchscreen com Android Auto e Apple Car Play, Bluetooth, entradas USB (2) e Sistema de reconhecimento de voz; Segunda porta USB, Chave com telecomando para abertura das portas, vidros e porta-malas, Check quadro de instrumentos (Welcome Moving), Cintos de segurança traseiros (laterais e central) retráteis de 3 pontos, Computador de Bordo (distância, consumo médio, consumo instantâneo, autonomia, velocidade média e tempo de percurso), Desembaçador do vidro traseiro temporizado, Direção elétrica progressiva, Drive by Wire (Controle eletrônico da aceleração), ESC (Controle de Estabilidade), ESS (Sinalização de frenagem de emergência), Encosto de cabeça traseiro central, Espelho no para-sol lados motorista e passageiro, Faróis de neblina, Follow me home, Gancho universal para fixação cadeira criança (Isofix), Ganchos de fixação de carga no porta-malas, HCSS (Sistema de partida a frio sem tanque auxiliar de gasolina), HSD (High Safety Drive) – Airbag duplo (motorista e passageiro) e Freios ABS com EBD, Hill Holder (sistema ativo freio com controle eletrônico que auxilia nas arrancadas do ve ículo em subida), Iluminação do porta-malas, Keyless enter-n’go, LED Design, Lane Change (Função auxiliar para acionamento das setas indicando trocas de faixa), Limpador e lavador dos vidros dianteiro e traseiro com intermitência, Logotipos Fiat escurecidos, Moldura do volante e console central com acabamento na cor prata, Moldura interna das portas com acabamento exclusivo, Novo motor Firefly 1.3 8V Flex, Predisposição para rádio (2 alto-falantes dianteiros, 2 alto-falantes traseiros, 2 tweete rs e antena), Quadro de instrumentos 3,5″ multifuncional com relógio digital, calendário e informações do veículo em TFT personalizável, Retrovisores e spoiler traseiro com acabamento exclusivo, Retrovisores externos elétricos com sistema Tilt Down + setas de direção integradas, Rodas de liga leve 6.0 x 15” + Pneus 185/60 R15 com acabamento escurecido, Sensor de estacionamento traseiro com visualizador gráfico, Sistema de monitoramento de pressão dos pneus, TC (Controle de Tração), Tomada 12V, Travas elétricas (Travamento automático a 20 km/h, indicador de portas abertas, luz inter na com temporizador e tampa do combustível), Vidros elétricos dianteiros com one touch e antiesmagamento, Vidros elétricos traseiros com one touch e antiesmagamento, Volante com comandos de rádio e telefone, Volante com regulagem de altura, Volante e console central com detalhes e acabamento exclusivos, Volante em couro com costura exclusiva

Compartilhar:
Tem 20 anos, atualmente cursa Publicidade e Propaganda na Universidade Paulista, é filho do jornalista Douglas Mendonça, e desde que se conhece por gente, convive com carros e está envolvido no mundo automobilístico. Aprendeu a ler nas revistas automotivas, cresceu frequentando oficinas, corridas, encontros e eventos com o pai, e daí veio sua maior paixão: os carros. Um gearhead legítimo, Lucca se tornou o braço direito do pai após sua perda de visão em 2012, ajudando na produção de matérias, reportagens, avaliações e textos sobre carros. No Carros & Garagem, é responsável pela cobertura de eventos de lançamento de novos veículos, e produz avaliações, fotos e comparativos de modelos. Os carros estão até nos seus hobbies: Possui um acervo com mais de 300 manuais do proprietário de veículos diversos, incluindo antigos e modernos, além de colecionar revistas, folders, catálogos, e vários outros materiais automotivos.